G13Butantan interrompe produção da CoronaVac por falta de matéria-prima

Butantan interrompe produção da CoronaVac por falta de matéria-prima

-

spot_img

Diretor do instituto afirmou na quarta-feira (7) que o processo de envase foi suspenso há dez dias Segundo o Butantan, atraso não vai impactar entregas ao Ministério da Saúde.

O Instituto Butantan suspendeu o envase de doses da vacina CoronaVac após atraso na chegada de matéria-prima vinda da China.

À GloboNews, o diretor do instituto, Dimas Covas, afirmou nesta quarta-feira (7) que o processo de envase foi suspenso há dez dias. Ele negou anormalidade no trâmite de entrega da CoronaVac e afirmou que houve um atraso no despacho de um lote de insumos da vacina produzida na China.

Visita de João Doria ao Instituto Butantan Governo do Estado de São Paulo/Divulgação
  • CORONAVAC: entenda o papel da vacina e de outros imunizantes
  • VÍDEOS: raio X das principais vacinas contra a Covid
  • ENTENDA: perfil dos imunizantes e eficácia contra mutações

Segundo ele, o carregamento estava previsto para esta quinta-feira (8), mas deve chegar na próxima semana. O diretor do instituto disse ainda que o processo completo até a liberação das doses para o Ministério da Saúde dura cerca de 20 dias.

Dimas Covas afirmou também que o cronograma de entregas de vacinas à pasta está mantido. Desenvolvida pelo Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac, a CoronaVac corresponde a mais de 80% das imunizações contra a Covid-19 aplicadas no Brasil.

O instituto informou que negocia com o governo chinês para receber as novas remessas e que toda a matéria-prima da vacina recebida da China já foi envasada.

“A matéria-prima está pronta para o embarque na China, houve um problema burocrático. Não há anormalidade. Não há retenção de vacina da China. Não há nenhum ruído de comunicação entre o Brasil e a China, nem entre o Butantan e a Sinovac”, afirmou Dimas Covas.

Em nota, o instituto informou que “todas as doses provenientes do IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) recebido da China já foram envasadas”.

“Neste momento, cerca de 2,5 milhões de vacinas encontram-se em processo de inspeção de controle de qualidade – parte integrante do processo produtivo – para serem entregues na semana que vem ao Programa Nacional de Imunizações. Desde janeiro o Butantan já entregou 38,2 milhões de doses da vacina ao país.”

O comunicado continua: “Com uma nova remessa de IFA, prevista para a próxima semana, será possível integralizar todas as 46 milhões de doses referentes ao primeiro contrato com o Ministério da Saúde até o dia 30 de abril”.

Dimas Covas afirmou à GloboNews que houve um adiantamento da entrega de março, mas não será possível fazer o mesmo para a entrega de abril: “Não vamos conseguir neste momento fazer o adiantamento, porque precisaria de mais IFA. Só vamos conseguir a partir de maio”.

Ainda de acordo com o diretor, existem cerca de 2,5 milhões de doses na fase de liberação nos próximos dias. A previsão de entrega para abril é de cerca de 7,5 milhões de doses, o que excede em cerca de 5 milhões a quantidade de doses em processo de liberação. Caso o lote de IFA não seja entregue nos próximos dias, o cronograma de entregas ao ministério pode ser afetado.

Aumento da vacinação na China

Nesta segunda-feira (5), o diretor do Butantan já havia reconhecido que a aceleração da vacinação na China pode afetar o fornecimento de matéria-prima de imunizantes contra a Covid-19 para o Brasil.

A exemplo da CoronaVac, a vacina da AstraZeneca/Oxford, importada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), também utiliza insumos de origem chinesa.

Em entrevista à GloboNews na segunda, o diretor do Butantan disse que a demanda do governo chinês por mais vacinas preocupa.

“É uma preocupação. Essa demanda do governo chinês por vacinas pode, de certa forma, interferir no fornecimento de vacinas para o Brasil e para o mundo. No caso especifico do Butantan, nós não importamos vacinas prontas, importamos matéria-prima, isso dá uma certa tranquilidade”, afirmou.

“Nós temos tido uma conversa muito intensa para não ocorrer alteração neste fornecimento. É tudo que nós não precisamos neste momento. Até este momento tudo está correndo dentro do planejado.”

No final de março, a China ultrapassou os Estados Unidos e a Índia e voltou a ser o país com a maior quantidade de vacinas contra a Covid-19 aplicadas por dia em uma semana, segundo balanço do Our World in Data.

Por GloboNews e G1 SP — São Paulo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Prazo para antecipação do 13º do INSS em abril está perto do fim

A inclusão da primeira parcela do 13º salário de aposentados e pensionistas na folha de pagamento de abril pode...

Ministro Kassio agrada bolsonaristas ao contrariar STF em decisões

Em cinco meses como integrante do STF (Supremo Tribunal Federal), o ministro Kassio Nunes Marques acumula polêmicas e passa...

Em meio à pandemia, cresce procura por microfranquias

Existem cerca de 600 redes de microfranquias no país e investimento para se tornar um franqueado chega até R$...

Wellington Dias prorroga medidas restritivas até o dia 18 de abril; veja o que pode funcionar

A novidade é que o toque de recolher será a partir de 22h. Na sexta (16), sábado (17) e...
spot_imgspot_img

Senador Ciro Nogueira vai propor inclusão de governadores e prefeitos na CPI da Covid

O presidente do Progressistas, senador Ciro Nogueira (PI), disse nesta sexta-feira, 9, que vai sugerir aos colegas senadores que...

Quanto tempo dura a proteção das vacinas contra a Covid-19?

Pesquisadores analisam o comportamento da imunidade nos vacinados e estão verificando que as vacinas seguem protegendo quem já tomou....
spot_img

Posts Recomendados