Casos de câncer abaixo dos 50 anos aumentaram 80% nas últimas três décadas

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Com base nas tendências observadas, os pesquisadores estimam um crescimento de 31% até 2030

Os casos de câncer em pessoas com menos de 50 anos cresceram 79% pelo mundo nas últimas três décadas, de 1990 a 2019. É o que mostra um novo estudo publicado por um time internacional de pesquisadores, nesta semana, na revista científica BMJ Oncology.

Com base nas tendências observadas, os responsáveis pelo trabalho estimam os casos e as mortes por câncer na faixa etária vão aumentar 31% e 21%, respectivamente, até 2030, sendo aqueles na faixa dos 40 anos os mais afetados.

O novo estudo foi conduzido por cientistas de instituições como a Universidade Zhejiang, na China, a Universidade de Edimburgo e o Imperial College London, ambos no Reino Unido, o Instituto Karolinska, na Suécia, e a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

Os pesquisadores analisaram os números sobre incidência de novos casos de câncer, mortes, consequências para a saúde e fatores de risco entre indivíduos de 14 a 49 anos por meio do Global Burden of Disease, um amplo estudo sobre doenças com informações de 29 tipos de câncer em 204 países.

Divulgação

Eles afirmam que as evidências já apontavam para um aumento nos diagnósticos em idades mais jovens pelo mundo, mas que muitos trabalhos até então focavam apenas em regiões ou países específicos, sem uma perspectiva global sobre a tendência e os fatores de risco.

Agora, eles constataram que, em 2019, foram 1,82 milhão de novos casos de câncer em pessoas abaixo dos 50, um aumento de 79% em relação aos dados de 1900 – quando foram pouco mais de um um milhão. Além disso, 1,06 milhão de indivíduos na faixa etária morreram pela doença em 2019, um crescimento de 28% em comparação com três décadas antes.

O câncer de mama representou a maior parte dos casos em 2019, com uma incidência de 13,7 diagnósticos a cada 100 mil habitantes no mundo, e 3,5 mortes a cada 100 mil pessoas. Porém, os tumores de traqueia (nasofaringe) e de próstata foram os que mais cresceram durante o período analisado, um aumento anual de 2,28% e 2,23%, respectivamente.

Por outro lado, os casos de câncer no fígado diminuíram na faixa etária, num ritmo de 2,88% a cada ano. Em relação ao impacto em óbitos e na qualidade de vida, além do de mama, os tipos mais graves no público foram os de traqueia, pulmão, intestino e estômago. Já os que apresentaram crescimento mais acelerado na agressividade foram os de rim e de ovário.

As taxas mais elevadas de incidência foram registradas nas regiões da América do Norte, Australásia e Europa Ocidental. No entanto, a mortalidade mais alta foi observada nos países de baixa a média renda na Oceania, Europa Oriental e Ásia Central. Além disso, nessas nações, o impacto em óbitos e qualidade de vida foi maior entre mulheres.

Por que os casos de câncer crescem em mais jovens?

Os pesquisadores acreditam que fatores genéticos influenciam o diagnóstico de câncer em faixas etárias mais baixas, mas reforçam que a má alimentação, como dietas ricas em carne vermelha e sal, e pobres em frutas e leite, aumentam o risco da doença. Além disso, alertam para outros fatores conhecidos, como o consumo de álcool e tabaco, o sedentarismo, a obesidade e o excesso de açúcar no sangue.

Ainda assim, reconhecem algumas limitações do estudo, como a possibilidade de subnotificação e subdiagnóstico em diversos países. Além disso, dizem ainda não estar claro até que ponto os exames de rastreio podem representar parte do aumento, devido ao avanço da capacidade de se realizar diagnósticos precoces, ou uma questão de exposição a fatores ambientais.

“A compreensão completa das razões que impulsionam as tendências observadas permanece indefinida, embora fatores de estilo de vida provavelmente estejam contribuindo, e novas áreas de pesquisa, como o uso de antibióticos, o microbioma intestinal, a poluição do ar externo e as exposições na infância, estejam sendo exploradas”, escrevem médicos do Centro de Saúde Pública da Universidade Queen’s Belfast num editorial vinculado ao estudo.

Os especialistas afirmam ainda que “são urgentemente necessárias medidas de prevenção e detecção precoce, juntamente com a identificação de estratégias de tratamento ideais para cânceres de início precoce, que devem incluir uma abordagem holística que aborde as necessidades únicas de cuidados de suporte dos pacientes mais jovens”.

Por Bernardo Yoneshigue — Rio de Janeiro

Leonidas Amorim
Leonidas Amorimhttps://portalcidadeluz.com.br
Acompanhe nossa coluna no Portal Cidade Luz e fique por dentro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Mecânico preso por roubo a joalheria alega inocência e diz que estava em competição de ciclismo no dia do crime

O irmão do jovem contou que o sentimento da família com a prisão foi de injustiça. Aplicativo de monitoramento...

Jerumenha fortalece programa social do SCFV, que chega ao povoado Barra do Lance com atividades para idosos

O grupo denominado Renascer da Melhor Idade conta com a participação de 25 integrantes, aos quais serão oferecidas atividades...

Nova fase da Lesa Pátria identifica envolvidos em atos de 8 de janeiro

Estão sendo cumpridos 34 mandados judiciais em 7 estados e no DF A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quinta-feira (29)...

Marido e esposa formam chapa para disputar a prefeitura de Canto do Buriti

Em um movimento político inusitado, o ex-prefeito Marquinhos Chaves, do município de Canto do Buriti, na região Sul do...
spot_img

Justiça do Piauí conclui separação de casal em 16 minutos; entenda o processo

O magistrado da Comarca destacou que o feito recorde se deu devido à integração entre os sistemas da Justiça...

Prefeitura de Floriano e Sebrae iniciam a 2ª etapa de capacitação dos permissionários do Mercado Público Central

A capacitação está sendo realizada de acordo com as áreas de vendas no mercado. A Prefeitura de Floriano, por...
spot_img

Posts Recomendados