Cientistas descobrem vestígios de vida antiga em rubi de 2,5 bilhões de anos

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Amostra encontrada na Groenlândia contém grafite com átomos de carbono que pertenceram a organismo vivos.

Cientistas da Universidade de Waterloo, no Canadá, disseram que encontraram vestígios de vida antiga dentro de um rubi de 2,5 bilhões de anos.

A amostra da pedra preciosa, encontrada na Groenlândia, onde os mais antigos depósitos conhecidos de rubis são encontrados, continha grafite – um mineral feito de carbono puro. As marcas químicas no carbono sugeriram que era um resíduo de vida antiga.

“O grafite dentro deste rubi é realmente único. É a primeira vez que vimos evidências de vida antiga em rochas com rubi”, disse Chris Yakymchuk, professor de ciências terrestres e ambientais da instituição.

Rubi estudado pela Universidade de Waterloo (Canadá)

O grafite é encontrado em rochas com mais de 2,5 bilhões de anos, época na Terra em que faltava oxigênio na atmosfera e a vida unicelular existia apenas em microorganismos e algas.

Para determinar se o carbono era de origem biológica, os pesquisadores analisaram sua química – especificamente a composição dos isótopos nos átomos.

“A matéria viva consiste preferencialmente em átomos de carbono mais leves porque eles consomem menos energia para se incorporar às células”, disse Yakymchuk.

“Com base no aumento da quantidade de carbono-12 neste grafite, concluímos que os átomos de carbono já foram de organismos vivos, provavelmente microrganismos, como as cianobactérias”, concluiu.

Os cientistas encontraram a rocha na Groenlândia enquanto estudavam a geologia dos rubis para entender melhor as condições necessárias para sua formação. Os rubis são uma variedade vermelha do mineral corindo.

Safiras são formadas da mesma substância. Nos rubis, o cromo produz a cor distinta, enquanto vestígios de ferro, titânio e níquel produzem safiras de cores diferentes, incluindo a tonalidade azul geralmente associada à gema.

A equipe também descobriu que o grafite provavelmente mudou a química das rochas circundantes para criar condições favoráveis ​​para o crescimento do rubi.

“A presença de grafite também nos dá mais pistas para determinar como os rubis se formaram neste local, algo que é impossível fazer diretamente com base na cor e na composição química de um rubi”, disse Yakymchuk.

A pesquisa foi publicada na Ore Geology Reviews na semana passada.

Com informações da CNN

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Promotor investiga patrocínio de R$ 8 milhões que ex-governador Wellington Dias liberou dos cofres públicos ao filme Mandu Ladino

O ex-governador Wellington Dias concedeu a liberação do orçamento em despacho no dia 16 de outubro de 2021. O promotor...

No Piauí, escolas estaduais voltam às aulas hoje e grevistas podem ter ponto cortado

Apesar do decreto, expedido na última quinta-feira, os professores prometem continuar mobilizados. O Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte)...

Vídeo: mulher é agredida durante show de Gusttavo Lima em Brasília

Imagens mostram vítima no chão sendo agredida por outras duas mulheres durante evento no Mané Garrincha nesse sábado (21). Em...

Juiz determina citação para que empresa de Rafael Fonteles pague dívida superior a R$ 3 milhões de contribuições previdenciárias

R$ 3,048 milhões foram atualizados em 2021. A União Federal ingressou com uma ação judicial contra o Grupo Educacional CEV,...
spot_img

Ciro Nogueira direcionou emenda para comprar caminhão de lixo de amiga que frequenta seu gabinete

A cidade Brasileira no Piauí, com 8 mil habitantes recebeu veículo compactador comprado com emenda do chefe da Casa...

De responsabilidade do Governo do Estado, rodovia PI-231 está esburacada e motorista faz tapa-buraco manual

Insatisfeito, um motorista do município resolveu tapar os buracos manualmente utilizando uma pá. A insatisfação com a situação é...
spot_img

Posts Recomendados