Nacional Cinco estados brasileiros estão próximos do colapso de UTIs...

Cinco estados brasileiros estão próximos do colapso de UTIs para a Covid-19

-

Cinco estados brasileiros estão com mais de 80% dos leitos de UTI ocupados e se aproximam do colapso em meio ao novo crescimento nos casos de Covid-19 no país.

O Paraná é o estado com a maior lotação em UTIs para pacientes com o novo coronavírus, com 87% de suas vagas em uso, de acordo com levantamento da CNN feito a partir de dados das Secretarias de Saúde estaduais.

Em seguida, de acordo com os números compilados até 20h de terça-feira (8), aparecem Santa Catarina (88,3%), Rio Grande do Sul (81,9%), Espírito Santo (83,6%) e Pernambuco (87%).

Na outra ponta do ranking estão Minas Gerais (23,5%), Mato Grosso (35,9%) e Maranhão (38,2%), os únicos com menos de 40% das vagas em UTI para Covid-19 em uso.

No estado de São Paulo, onde está concentrada a maior quantidade de casos e mortes causadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia, 57,5% dos leitos de UTI para tratamento do novo coronavírus estão ocupados.

Para a médica e diretora presidente da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib), Suzana Lobo, o aumento nos índices de ocupação de leitos pelo Brasil repete o que se viu na primeira onda da pandemia.

“As taxas aumentaram inicialmente nos hospitais privados e, em seguida, nos hospitais públicos. É evidente que é uma segunda onda.”

Os dados estaduais, no entanto, não refletem a situação de cidades onde a rede de saúde está perto do colapso.

Ao se analisar apenas os números das capitais, a situação mais preocupante é a do Rio de Janeiro, onde 91% dos leitos para pacientes com Covid-19 estavam em uso na noite dessa terça (8). Além disso, os leitos de enfermaria para o novo coronavírus têm 87% de ocupação na capital fluminense.

Os dois índices são maiores do que os registrados em dois momentos críticos para o sistema de saúde carioca, nos dias 3 de junho e 2 de outubro, datas marcadas por recorde de mortes e de novos casos confirmados da doença.

Em 2 de outubro, quando o Rio de Janeiro chegou ao pico de 3.180 novos casos em 24 horas, a ocupação dos leitos de UTI para Covid-19 era de 76,04%, enquanto nos leitos de enfermaria dedicados ao tratamento de pacientes infectados, o índice era de 54,6%.

Em 3 de junho, data em que a cidade chegou ao número recorde de 277 mortes por Covid-19 em 24 horas, a ocupação dos leitos de UTI na rede de saúde era de 87%, enquanto os leitos de enfermaria tinham 55% de ocupação.

Até essa terça-feira, 344 pessoas estavam na fila para internação na rede municipal carioca. Destes, 162 esperavam entrada em leitos de UTI, sendo assistidas em leitos de unidades pré-hospitalares.

Para a presidente da Amib, é importante destacar que há menos leitos no sistema público de saúde do que no sistema privado. “Esse sistema público atende à grande maioria da população brasileira, principalmente no Norte, onde chega a atender 90% das pessoas”, afirmou.

Há cerca de duas semanas, a taxa de ocupação dos leitos de UTI municipais no Rio era de 79%, segundo números da Secretaria Municipal de Saúde. Exatamente neste período, entre os dias 16 e 21 de novembro as internações em hospitais municipais tiveram um salto, com o índice de ocupação passando de 93%.

Proporção de leitos não garante baixa ocupação

Alguns dos estados com mais 80% de ocupação de leitos de UTI estão entre os que têm as maiores proporções de leitos por 10 mil habitantes.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam que essa proporção esteja entre 1 e 3, enquanto índices abaixo de 1 indicam insuficiência nas estruturas hospitalares.

Dados compilados pela Amib a partir do Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde (CNAES), Agência Nacional de Saúde (ANS) e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que o estado com a segunda maior quantidade de leitos por 10 mil pessoas é Pernambuco (3,11), que atualmente registra 87% de seus leitos ocupados.

Espírito Santo (2,18), Paraná (1,81), Rio Grande do Sul (1,81) e Santa Catarina (1,3) estão entre as unidades federativas com mais de 80% de UTIs ocupadas e cumprem a proporção de leitos de UTI indicada pelas autoridades de saúde.

Os dois índices são maiores do que os registrados em dois momentos críticos para o sistema de saúde carioca, nos dias 3 de junho e 2 de outubro, datas marcadas por recorde de mortes e de novos casos confirmados da doença.

Em 2 de outubro, quando o Rio de Janeiro chegou ao pico de 3.180 novos casos em 24 horas, a ocupação dos leitos de UTI para Covid-19 era de 76,04%, enquanto nos leitos de enfermaria dedicados ao tratamento de pacientes infectados, o índice era de 54,6%.

Em 3 de junho, data em que a cidade chegou ao número recorde de 277 mortes por Covid-19 em 24 horas, a ocupação dos leitos de UTI na rede de saúde era de 87%, enquanto os leitos de enfermaria tinham 55% de ocupação.

Até essa terça-feira, 344 pessoas estavam na fila para internação na rede municipal carioca. Destes, 162 esperavam entrada em leitos de UTI, sendo assistidas em leitos de unidades pré-hospitalares.

Para a presidente da Amib, é importante destacar que há menos leitos no sistema público de saúde do que no sistema privado. “Esse sistema público atende à grande maioria da população brasileira, principalmente no Norte, onde chega a atender 90% das pessoas”, afirmou.

Há cerca de duas semanas, a taxa de ocupação dos leitos de UTI municipais no Rio era de 79%, segundo números da Secretaria Municipal de Saúde. Exatamente neste período, entre os dias 16 e 21 de novembro as internações em hospitais municipais tiveram um salto, com o índice de ocupação passando de 93%.

Proporção de leitos não garante baixa ocupação
Alguns dos estados com mais 80% de ocupação de leitos de UTI estão entre os que têm as maiores proporções de leitos por 10 mil habitantes.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam que essa proporção esteja entre 1 e 3, enquanto índices abaixo de 1 indicam insuficiência nas estruturas hospitalares.

Dados compilados pela Amib a partir do Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde (CNAES), Agência Nacional de Saúde (ANS) e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que o estado com a segunda maior quantidade de leitos por 10 mil pessoas é Pernambuco (3,11), que atualmente registra 87% de seus leitos ocupados.

Espírito Santo (2,18), Paraná (1,81), Rio Grande do Sul (1,81) e Santa Catarina (1,3) estão entre as unidades federativas com mais de 80% de UTIs ocupadas e cumprem a proporção de leitos de UTI indicada pelas autoridades de saúde.

Lobo expressou preocupação com a nova alta de casos, mortes e internações por Covid-19 no país.

“Estamos muito preocupados, porque os profissionais de saúde acabaram de sair daquela primeira onda muito cansados, exaustos. Eles ainda precisam de recuperação e suporte emocional. Não houve tempo para isso e já têm que voltar para o front e enfrentar essa segunda onda”, afirmou.

A médica, que observa as experiências vividas por outros países, não espera uma segunda onda da pandemia mais amena do que a primeira.

“A gente tem visto nos outros países que, na verdade, a segunda onda tem sido bastante forte e castigado bastante hospitais de países que têm, inclusive, um grande número de leitos”, destacou.

“O que a gente espera? Sem dúvida nenhuma, a gente tem que se preparar para o pior”, afirmou a especialista.

Lorena Lara e Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Médico João Luís da Rocha e enfermeira Selma Brito são os primeiros a serem vacinados em Guadalupe

Os dois profissionais de saúde foram escolhidos, pois além de estarem atuando na linha de frente no combate a...

Dificuldade de acesso agrava crise sanitária em Manaus, diz prefeito

“A punição foi tão grande que pagamos com mortes”, acrescentou Davi Almeida. O prefeito de Manaus, Davi Almeida, disse hoje...

Prefeita Neidinha e o Secretário de Saúde recebem as doses da vacina CoronaVac destinadas a Guadalupe

O ato aconteceu na Regional de Saúde, localizada na cidade de Floriano. A prefeita Neidinha Lima e o secretário Paulo...

Wellington Dias suspende carnaval e decide ampliar leitos de Covid-19

Em reunião com o COE, governador discutiu sobre a vacinação, monitoramento pós-vacina, mutação do coronavírus, crescimento dos números de...

Inicialmente, Guadalupe receberá 68 doses da CoronaVac, diz o secretário Paulo Rocha

“Os trabalhadores da saúde que estão diretamente ligados no enfrentamento da doença serão os primeiros a receber a imunização”...

Brasil ultrapassa 210 mil óbitos por covid-19; média móvel fica em 959

A média móvel de mortes por covid-19, que registra as oscilações dos últimos sete dias e elimina distorções entre um...

Posts Recomendados