Em meio a polêmicas, Enem começa com linguagens, ciências humanas e redação

-

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Portões serão abertos às 12h (de Brasília) e fechados às 13h; prova será aplicada das 13h30 às 19h.

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) começa neste domingo (21) com as provas de linguagens, ciências humanas e redação.

Para saber o local de aplicação do exame, o estudante deve consultar o cartão de confirmação de inscrição disponível na página oficial do Enem. Os portões serão abertos às 12h (de Brasília) e fechados às 13h. A prova irá começar às 13h30 e terminar às 19h.

Para a versão impressa foram registradas 3.040.871 inscrições pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Já na versão digital, exclusiva para quem concluiu o ensino médio ou irá terminar em 2021, serão 68.891 participantes.

Divulgação

Ambas versões vão ser aplicadas na mesma data, o que difere da edição de 2020, em que foram separadas.

A redação será manuscrita, independente da modalidade escolhida. Sendo assim, é necessário que todos estejam munidos com caneta esferográfica preta de tubo transparente, único modelo permitido nos locais de prova.

O que é obrigatório leva na prova do Enem / Arte/CNN
O que é obrigatório leva na prova do Enem / Arte/CNN

Polêmicas na edição de 2021

As polêmicas na edição de 2021 do Enem começaram com a demissão coletiva de 37 servidores do Inep em resposta ao que classificaram como “má gestão” do instituto, em 8 de novembro, conforme ofício obtido pela analista de política da CNN Basília Rodrigues.

Ao comentar sobre o caso, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, em 15 de novembro, que o Enem neste ano “começa agora a ter a cara do governo”.

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou, em entrevista à CNN, em 16 de novembro, que não houve interferência no exame, e que as polêmicas não passavam de “ruídos pré-Enem”.

Voltando a fazer declarações sobre o exame, Bolsonaro disse, em 17 de novembro, que ele prega “ativismo político e comportamental”, ao fazer uma comparação com o sistema educacional do Catar, no Oriente Médio.

Na Comissão Especial de Educação da Câmara dos Deputados, também em 17 de novembro, Milton Ribeiro endossou o discurso de Bolsonaro, afirmando que o Enem teria a cara do governo porque a prova acontece com “competência e honestidade”.

Após a repercussão dos fatos, o Congresso Nacional decidiu instaurar uma comissão mista de deputados e senadores para apurar a demissão conjunta dos servidores do Inep.

Os parlamentares de oposição ainda enviaram ao Tribunal de Contas da União (TCU), em reunião com a presidente da casa, ministra Ana Arraes, um pedido de investigação do exame, que foi posteriormente acolhido pelo órgão. O ministro Walton Alencar Rodrigues, do TCU, negou no sábado (20) a medida cautelar. 

A Justiça Federal do Distrito Federal negou um pedido liminar, em 18 de novembro, para afastamento do presidente do Inep, Danilo Dupas, pelas denúncias de má gestão.

Respondendo à Justiça Federal de São Paulo, em 19 de novembro, o Inep considerou “ilação” uma suposta interferência no Enem, pelo acesso de pessoas estranhas nos ambientes de preparação e impressão das provas. O STJ negou no sábado uma ação

A Justiça Federal de São Paulo extinguiu, também em 19 de novembro, a ação movida pela Defensoria Pública da União (DPU) para obrigar o Inep a comprovar a segurança da prova contra vazamentos, fraudes e interferências.

No sábado, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) derrubou a liminar do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) que impedia a aplicação da prova de redação do Enem. 

A decisão do TRF4 determinava que essa etapa do exame não fosse considerada no resultado para os candidatos com deficiência que não conseguem se expressar por escrito.

(*Com informações de Isabella Faria, Basília Rodrigues, Caio Junqueira, Mathias Brotero, Giovanna Galvani e João de Mari, da CNN e da Agência Brasil)

Douglas Portoda CNN*

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Rayssa Leal derrota Pâmela Rosa e conquista título de campeã do STU Open Rio

Medalhista de prata nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, Rayssa Leal foi a campeã do STU Open Rio da categoria...

Não vacinados respondem a 79,7% dos óbitos por Covid-19

Um levantamento feito pelo Info Tracker, plataforma da USP e da Unesp que coleta dados sobre a pandemia de...

Após fala de Bolsonaro, Petrobras diz que não há decisão sobre reajuste de combustível

Fato relevante publicado pela estatal vem após o presidente Jair Bolsonaro dizer que a empresa anunciaria uma redução de...

Prefeitura de Floriano ornamenta a cidade para festas de fim de ano

A Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, deu início à ornamentação de fim de ano em pontos diversos da...
spot_img

Leilão do 5G vira argumento em compra da Oi por Tim, Claro e Vivo

As três companhias apontam que o leilão do 5G aumentou a concorrência no setor de telefonia com novos entrantes...

Quilombolas alegam que Ciro Nogueira invadiu território de patrimônio cultural

A denuncia veio de uma moradora da região, onde ela diz por vídeo, que o ministro entrou no quilombo...
spot_img

Posts Recomendados