Entrada de Sergio Moro na política divide partidos e provoca desconfiança

-

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

“Ele vivia disfarçado de juiz e agora quer se disfarçar de político”, afirmou o senador Cid Gomes.

A filiação do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro ao Podemos, com discurso de candidato à Presidência, mudou o xadrez da terceira via. Na lista dos partidos que querem fugir da polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2022, não são poucos os que veem com desconfiança a entrada do ex-juiz da Lava Jato na política.

Sérgio Moro – Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

“A candidatura de Moro só vai agravar sua crise de identidade. Ele vivia disfarçado de juiz e agora quer se disfarçar de político para resolver suas enormes contradições. Nenhuma das vestes lhe cabe”, provocou o pré-candidato do PDT, Ciro Gomes. O senador Cid Gomes (PDT-CE), irmão dele, foi na mesma linha. “Se tem mais gente para dividir, é claro que isso atrapalha e faz o jogo do Bolsonaro”, disse Cid.

Na semana passada, Ciro havia suspendido a candidatura depois que a maioria da bancada do PDT votou a favor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos precatórios. Nesta terça-feira, 9, porém, o partido mudou de posição, conforme queria Ciro, e decidiu se posicionar contra a PEC. A proposta fura o teto de gastos públicos, com o objetivo de abrir espaço fiscal para o pagamento do Auxílio Brasil de R$ 400 até o fim de 2022, de emendas parlamentares e do fundo eleitoral destinado às campanhas.

O presidente do PSD, Gilberto Kassab, descartou de antemão uma aliança com Moro e disse não vê-lo como o nome mais agregador. “Eu acho que o perfil vencedor será aquele que representa a união do País, a pacificação, o compromisso com a solução dos problemas da saúde, em especial com essa questão da pandemia, e a melhoria na educação pública”, afirmou Kassab, que defende a candidatura do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Crescimento

Pesquisa da Genial/Quaest divulgada nesta quarta-feira, 10, mostra que Moro está em terceiro lugar na disputa ao Palácio do Planalto, com 8% das intenções de voto, despontando como potencial nome da terceira via na polarização entre Bolsonaro e Lula. Na prática, Moro aparece empatado, na margem de erro, com Ciro Gomes, que tem 7%. Bolsonaro alcança 21% e Lula continua na dianteira, com 48%.

Congestionado, o campo da terceira apresenta atualmente outros dez nomes, incluindo três tucanos que vão disputar as prévias do PSDB para escolha do candidato, no próximo dia 21 — os governadores João Doria (São Paulo), Eduardo Leite (Rio Grande do Sul) e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio.

Na semana passada, o presidente do PSDB, Bruno Araújo, conversou com Moro por telefone. O tucano disse que o Podemos “sempre foi um parceiro” da terceira via, que o ideal é ter o menor número possível de candidatos nesse campo, mas evitou prever uma aliança. “Nosso foco agora são as prévias do PSDB, daqui a poucos dias”, insistiu Araújo.

O deputado Luciano Bivar (PE), presidente do PSL e futuro comandante do União Brasil – fusão do partido com o DEM –, adotou o mesmo tom de cautela. “O MDB, o PSDB e o União Brasil estão juntos para montar uma candidatura de terceira via. Se o Sérgio Moro quiser entrar nesse bloco também, a gente vai discutir em conjunto”, argumentou Bivar. “Não existe veto.”

Na avaliação do presidente do Cidadania, Roberto Freire, o ex-juiz da Lava Jato pode ser uma opção. “É mais um componente de alternativa à polarização Lula e Bolsonaro. Como o Cidadania desde sempre afirma que nós não podemos ter veto algum, vamos dialogar com essa candidatura. Vamos ver o que vai acontecer”, disse ele.

Freire observou, porém, que a dianteira do ex-juiz em relação a outros nomes do grupo da terceira via não necessariamente vai se manter no ano que vem. “Qual o cenário de 2022? Pesquisa agora é uma fotografia de um processo que mal se iniciou”.

O Cidadania lançou o senador Alessandro Vieira (SE) como pré-candidato ao Planalto, mas ele mesmo admite que pode desistir, caso surja um nome que una o campo. “Eu não tenho nenhuma exigência de ter meu nome em chapa ou nominata. Quero ver as ideias bem representadas e a gente só sabe disso mais adiante”, argumentou Vieira. “Ele (Moro) está começando agora essa caminhada e desejo boa sorte. Quanto mais nomes surgirem, mais ideias”, ponderou o senador.

Não é o que diz seu colega Cid Gomes. “Para mim, o Lula tem um lugar no segundo turno e um terceiro nome disputa o lugar com Bolsonaro”, previu. “Se o Moro não quer ajudar o Bolsonaro, acaba ajudando.”

Por Estadão Conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Oposição contabiliza 134 prefeitos aliados, 57 com o governo W. Dias e 33 indecisos

O grupo de oposição também divulgou uma lista sobre o apoio dos prefeitos para a eleição de outubro desse...

Iniciada em Jerumenha a vacinação contra Covid-19 em crianças de 05 a 11 anos

A campanha começou pelo público infantil que possui comorbidade ou deficiência permanente. A vacinação teve início nesta quarta-feira (26), na...

Corpo de criança que se afogou em Uruçuí é achado em Porto Alegre do Piauí após 12 dias de buscas

A criança se afogou e desapareceu no Rio Parnaíba em Uruçuí, na noite do dia 14 de janeiro. O corpo...

Prefeito Mão Santa faz acordo e vai apoiar o petista Rafael Fonteles para governador do Piauí

Em troca, Wellington Dias dará total suporte para eleger a filha do prefeito, Gracinha Moraes Souza. O prefeito da cidade...
spot_img

Rodovia que liga Marcos Parente a Landri Sales ganha asfalto novo

O Governo do Estado implanta asfalto novo em trecho de 6 km da PI-219, no Território Tabuleiros do Alto...

Papa Francisco pede que pais ‘não condenem’ filhos homossexuais

Pontífice disse para genitores 'acompanharem' sempre filhos. "Penso nesse momento em todas pessoas que ficam cansadas do peso da vida...
spot_img

Posts Recomendados