Fernando Haddad busca apoio do Papa Francisco para taxar super-ricos

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

O ministro da Fazenda do Brasil, Fernando Haddad, está programado para se reunir com o Papa Francisco nesta quinta-feira (6), em uma audiência previamente agendada para discutir a taxação dos super-ricos.

A busca por apoio junto ao líder da Igreja Católica faz parte dos esforços do Brasil para promover a taxação das grandes fortunas. Essa iniciativa foi apresentada durante a presidência brasileira do G20, o grupo das maiores economias do mundo, em fevereiro deste ano.

Ministro da Economia, Fernando Haddad (Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil)

Além do encontro com o Papa, Haddad participará da conferência “Enfrentando a Crise da Dívida no Sul Global”, em Roma, co-organizada pela Universidade de Columbia e pela Pontifícia Academia de Ciências Sociais. Durante sua estadia na capital italiana, o ministro também realizará uma reunião bilateral com o ministro da Economia da Espanha, Carlos Cuerpo, para discutir possíveis oportunidades de cooperação entre os dois países.

Segundo Haddad, a proposta de taxação dos super-ricos, que visa a reduzir a desigualdade social e combater os efeitos das mudanças climáticas, tem ganhado adesão de diversos países. Contudo, os Estados Unidos têm se mostrado hesitantes em relação à proposta, apesar de reconhecerem a necessidade de medidas para reduzir a desigualdade global.

Em publicação nas redes sociais, o ministro afirmou que a proposta atinge poucas pessoas em todo o planeta, mas tem força suficiente para reduzir a desigualdade e enfrentar o aquecimento global. “A proposta de taxação dos super ricos para combater a fome e as mudanças climáticas implica numa cooperação global para além das relações bilaterais entre blocos e países. São apenas 3 mil super-ricos em todo mundo”, postou.

Além disso, Haddad aproveitará a conferência para ressaltar o compromisso do Brasil em buscar soluções para os desafios econômicos enfrentados pelos países em desenvolvimento, especialmente no que diz respeito à crise da dívida.

Com números alarmantes apresentados pelo Fundo Monetário Internacional e pela Organização das Nações Unidas, o ministro destacará a urgência de ações para lidar com essa questão, especialmente à luz dos impactos da pandemia de COVID-19.

Gleison Fernandes
Gleison Fernandeshttps://portalcidadeluz.com.br
Editor Chefe do Portal Cidade Luz

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Nova Caderneta da Criança atualiza teste para detecção de autismo

A nova edição da Caderneta da Criança – Passaporte da Cidadania fornece um teste para detecção precoce de risco...

Médico do IML de Floriano é investigado pelo Ministério Público

O procedimento preparatório de inquérito civil foi instaurado pela promotora Ana Sobreira Botelho Moreira em 12 de junho deste...

Assembleia pede explicação à UFPI sobre demora para homologar resultado de eleição

Demora do reconhecimento do resultado da eleição para reitor preocupa presidente da Assembleia Legislativa, Franzé Silva. O presidente da Assembleia...

Cigarros eletrônicos ‘Vapes’ provocam seis vezes mais intoxicação por nicotina que o cigarro comum

Atualmente, 3% da população do Brasil utiliza cigarros eletrônicos O cigarro eletrônico, conhecido como vape, provoca até seis vezes mais...
spot_img

Antônio Reis assina ordens de serviço para construção de praça e melhorias no aterro sanitário de Floriano

"Essas obras são de suma importância para a população florianense, que receberá mais um espaço de lazer e convivência",...

Governo Lula não vai apoiar mudanças na lei do aborto, diz ministro Padilha

Em visita a Minas Gerais, o ministro disse que o governo vai trabalhar para que o PL não seja...
spot_img

Posts Recomendados