Fotos íntimas sem consentimento: entenda o crime de cyberflashing

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Cyberflashing é o envio de fotos íntimas sem o consentimento da pessoa que as recebe

Nos confins desse mundo online, uma prática desagradável tem se destacado ultimamente: o cyberflashing. Se você ainda não está familiarizado com o termo, trata-se do envio de imagens íntimas explícitas para pessoas sem o consentimento delas. É como se alguém te mandasse uma foto inapropriada do nada, sem que você tenha pedido.

Imagine só: você está navegando tranquilamente no seu celular e, de repente, recebe uma imagem chocante das partes íntimas de alguém que você nem conhece. É constrangedor, desconfortável e, acima de tudo, uma invasão da sua privacidade.

Divulgação

Essa prática não é apenas uma brincadeira de mau gosto. Na verdade, é uma forma de importunação sexual que deixa as vítimas se sentindo violadas e vulneráveis. E o pior é que isso acontece no ambiente virtual, onde a sensação de segurança muitas vezes é ilusória.

Até pouco tempo atrás, casos assim eram tratados como infrações leves, sujeitas a multas. Mas, felizmente, em 2018, a legislação evoluiu e passou a considerar o cyberflashing como crime. Segundo a Lei Nº 13.718, praticar atos libidinosos sem o consentimento da outra pessoa agora pode render sérias consequências.

De acordo com a lei, importunação sexual vai muito além de apenas enviar fotos indesejadas. Envolve qualquer tipo de comportamento sexual não solicitado, como beijos não consentidos ou toques inadequados. É uma questão de invasão de privacidade e desrespeito aos limites alheios.

E as consequências para quem pratica o cyberflashing podem ser sérias. A pena pode variar de um a cinco anos de prisão, dependendo da gravidade do caso. E se houver algum tipo de relação entre a vítima e o agressor, a punição pode ser ainda mais severa.

Recentemente, um caso na Inglaterra chamou a atenção para a gravidade desse tipo de crime. Um homem chamado Nicholas Hawkes foi preso por cyberflashing e condenado a 52 semanas de reclusão, de acordo com a Lei de Segurança Online da Inglaterra.

Portanto, fica o alerta: o cyberflashing não é apenas uma brincadeira de mau gosto. É uma violação da privacidade e um crime sério, que pode ter sérias consequências legais.

Leonidas Amorim
Leonidas Amorimhttps://portalcidadeluz.com.br
Acompanhe nossa coluna no Portal Cidade Luz e fique por dentro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

No Rio Grande do Sul, ciclone extratropical deve levar mais chuva e ventos fortes ao estado

Defesa Civil emitiu alerta para possibilidade de chuvas intensas em Porto Alegre nesta segunda Um ciclone extratropical vai começar a...

Uso de inteligência artificial e vaquinhas online falsas estão sendo usadas por golpistas para lucrar no RS

Em Santa Catarina, um adolescente foi alvo de um operação. As investigações apontam que ele criava vaquinhas virtuais, supostamente...

Alexandre Moraes nega recurso de Bolsonaro contra inelegibilidade

Ex-presidente foi condenado pelo TSE por abuso político e econômico O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes,...

UNIEG celebra o Dia do Evangélico em Guadalupe com inspiradora pregação do Preletor Wesllei Nogueira e a presença de autoridades municipais

Evangélicos, membros da União das Igrejas Evangélicas de Guadalupe e autoridades se uniram para celebrar a data comemorativa, no...
spot_img

Prefeito Antônio Reis recebe comenda da Ordem do Mérito Comercial Marquês de Paranaguá

A concessão da Ordem do Mérito Comercial Marquês de Paranaguá é um reconhecimento mais do que merecido pelo trabalho...

Nomofobia: o medo de ficar sem celular e seus efeitos em crianças e adolescentes

O transtorno pode afetar principalmente crianças e adolescentes. Muitas pessoas extrapolam o tempo de uso dos celulares e quando ficam...
spot_img

Posts Recomendados