Governo Lula sanciona lei que libera R$ 7,3 bilhões para pagamento do piso da enfermagem

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Texto define que piso salarial de enfermeiros será de R$ 4.750; Ministério da Saúde repassará os valores a estados e municípios.

O governo federal sancionou a lei que libera R$ 7,3 bilhões para o pagamento do piso nacional de enfermagem. O projeto foi aprovado pelo Congresso Nacional em abril e destina recursos ao Ministério da Saúde, que repassará os valores a estados e municípios. A lei foi publicada nesta sexta-feira (12) no Diário Oficial da União.

A lei prevê o pagamento de R$ 4.750 para enfermeiros, R$ 3.325 para técnicos de enfermagem e R$ 2.375 para auxiliares de enfermagem e parteiras.

Os valores serão pagos em todo o país por serviços de saúde públicos e hospitais filantrópicos e privados que atendam a pelo menos 60% de pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

O piso foi instituído em 2022 a partir da aprovação de um projeto de lei no Congresso Nacional, posteriormente sancionado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

No entanto, um mês depois, o ministro Luís Roberto Barroso suspendeu a norma e, posteriormente, o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou a decisão.

O piso foi congelado por pedido da Confederação Nacional de Saúde, Hospitais e Estabelecimentos e Serviços (CNSaúde), que alegou que a norma poderia trazer uma série de prejuízos, como demissões em massa e fechamento de leitos por falta de pessoal, além de atrapalhar a organização financeira de estados e municípios.

Entidades alertam para consequências

Em nota conjunta, as entidades que representam os hospitais alertaram para as “graves consequências” da implantação do piso nacional único da enfermagem “sem o estabelecimento das respectivas fontes de custeio”.

“A liberação de R$ 7,3 bilhões de recursos orçamentários contempla apenas o aumento de gastos do setor público para 2023. Não proporciona, portanto, a necessária compensação para os estabelecimentos privados do sistema de saúde que empregam 62% dos cerca de 1,3 milhão de profissionais de enfermagem do país e arcarão com um impacto estimado em mais de R$ 7 bilhões anuais”, diz o texto.

Segundo as entidades, o projeto de lei pode causar a “falsa impressão” de que, uma vez aprovado, os impactos na saúde terão sido neutralizados, o que, segundo elas, não condiz com a realidade.

“Uma solução que não leve em consideração as dificuldades que a nova lei trará para o setor privado pode comprometer, de maneira irreversível, a sustentabilidade de milhares de estabelecimentos de saúde, com grandes prejuízos para a assistência médica a milhões de brasileiros”, afirmam.

A nota ressalta ainda a urgência de o Poder Executivo e o Congresso Nacional estabelecerem as fontes de custeio para o setor privado e enfrentarem o “problema das diferenças regionais de capacidade de pagamento pelo país”, bem como equacionarem outros graves problemas do marco legal do piso de enfermagem. “Sem isso, a lei permanecerá inconstitucional”, finalizam.

Fonte: R7

Gleison Fernandes
Gleison Fernandeshttps://portalcidadeluz.com.br
Editor Chefe do Portal Cidade Luz

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Deputada Ana Paula quer explicações sobre fechamento de campus da Uespi

O Plenário da Assembleia Legislativa do Piauí aprovou, por unanimidade, o Requerimento 150/24, da deputada Ana Paula (MDB), solicitando...

Concurso da Polícia Militar: Alepi autoriza Governo do Estado a convocar novos candidatos

A proposta determina a contratação de mais policiais e mudanças no Estatuto da PM foram aprovadas em 1ª e...

Projeto que prevê castração química para estupradores é aprovado no Senado

O tratamento químico hormonal deve ser voluntário; PL foi aprovado pela CCJ e segue para à Câmara dos Deputados. A...

Novo DPVAT: seguro obrigatório voltará a ser pago em 2025

Serão garantidos os custos de atendimentos médicos, fisioterapia, medicamentos, equipamentos ortopédicos, que não sejam disponibilizados pelo SUS. O pagamento de...
spot_img

Na abertura do G20 em Teresina, Rafael Fonteles defende pacto global para o combate à fome e à pobreza

Com a presença de 52 delegações internacionais, as reuniões serão fechadas e contarão com visitas a programas locais. O governador...

Ônibus Lilás faz vários atendimentos em Landri Sales, ação foi solicitada por Adriana Sá

Adriana ressaltou a importância desses serviços para a população e informou que centenas de pessoas foram atendidas. Na manhã desta...
spot_img

Posts Recomendados