CidadesJornalista Arimateia Azevedo é preso novamente pela Polícia Civil...

Jornalista Arimateia Azevedo é preso novamente pela Polícia Civil em Teresina

-

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Ele já havia sido preso em 12 de junho de 2020, suspeito de extorsão, e foi solto cerca de cinco meses depois. Motivação da prisão desta quinta-feira (7) ainda não foi informada pela polícia.

O jornalista Arimateia Azevedo foi preso novamente, na manhã desta quinta-feira (7), em Teresina. O Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) informou que realizou a prisão, mas não deu detalhes sobre o motivo. Ele já havia sido preso em 12 de junho de 2020, suspeito de extorsão.

Arimateia Azevedo (Foto: Wilson Nanaia)

Arimateia foi preso em 12 de junho, cumpriu prisão domiciliar por cerca de um mês, foi encaminhado ao sistema prisional (em espaço reservado a pessoas com ensino superior) e foi colocado em liberdade aproximadamente cinco meses depois.

Prisão revogada em 2020

A sexta turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) revogou em 24 de novembro de 2020 a prisão preventiva do jornalista, considerando que não havia a necessidade da extensão da prisão preventiva, visto que o crime julgado não foi praticado com violência.

O STJ já havia concedido parcialmente uma liminar para que Arimateia Azevedo pudesse cumprir prisão domiciliar. Isso porque o Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI) havia revogado a prisão domiciliar do jornalista e determinado que ele fosse encaminhado para o sistema prisional.

Na época foi determinado ao delegado geral da Polícia Civil que conduzisse o jornalista para um presídio, em compartimento reservado a presos com curso superior, como previsto na Constituição. Os desembargadores analisaram outro parecer do MP, em acordo com a defesa de Arimateia Azevedo, para que ele cumprisse a custódia na Acadepol.

Prisão preventiva

A prisão preventiva do jornalista foi determinada pelo juiz Valdemir Ferreira, da Central de Inquéritos, que chegou a negar o primeiro pedido de prisão domiciliar para o jornalista. Com a decisão, Arimateia deveria ser encaminhado para o presídio e ficar isolado dos demais presos, porém não foi transferido, e ficou preso no 12º Distrito Policial e em seguida na Academia de Polícia Civil do Piauí (Acadepol).

O juiz também determinou que o portal em que o jornalista atua não faça publicações relacionadas ao denunciante do possível caso de extorsão investigado; ao Greco [Grupo de Repressão ao Crime Organizado, que fez a prisão] e aos que trabalham no grupo, sob pena de multa de R$ 5 mil por dia de publicação.

O professor de história Francisco de Assis Barreto, da Universidade Estadual do Piauí (Uespi), preso suspeito de ter sido coautor do crime, foi liberado, segundo o delegado Ademar Canabrava, do 12º distrito policial.

Justificativa

Em decisão do TJ, o texto diz que a materialidade do crime estava presente nos autos de forma “bem clara e segura” e que o relatório da polícia apresentou prints de conversas entre a vítima e o jornalista. “A narrativa da vítima encontra apoio nas provas dos autos”, destacou.

O juiz avaliou que o suspeito agia de forma fria e utilizava o poder do veículo de comunicação para “sem qualquer tipo de escrúpulo, ameaçar a vítima, caso esta não lhes entregasse as quantias indevidamente exigidas”.

A decisão diz ainda que o suspeito “extrapolou o direito à liberdade de imprensa, ofendeu a honra, a intimidade, a privacidade e a imagem de pessoas, utilizando-se da liberdade de imprensa para obter lucro fácil através da prática de crimes”.

Prática habitual

O magistrado apontou ainda uma possível reincidência do jornalista no crime do qual ele é suspeito. “As investigações dão conta de que não é a primeira vez. Ao contrário, há fortes indicativos de que é prática habitual dos acusados, que parecem fazer dessa conduta sua forma usual de sobrevivência”.

A decisão afirma que em consulta ao sistema eletrônico de processos do TJ-PI foi possível encontrar “diversos processos criminais” e citou casos de calúnia, injúria, difamação, ameaça e frustração de caráter competitivo de processo licitatório.

Entenda o caso

O Greco investiga a suspeita de que Arimateia Azevedo tenha praticado extorsão qualificada contra um profissional liberal de Teresina. O jornalista foi preso preventivamente e a polícia cumpriu mandados de busca e apreensão nas residências dele e do professor universitário suspeito de ser coautor do crime.

Os mandados foram cumpridos na sede do portal de notícias de propriedade do jornalista. Segundo o delegado Laércio Evangelista, do Greco, o jornalista teria cobrado a quantia de R$ 20 mil ao profissional liberal para que o portal de notícias parasse de divulgar matérias jornalísticas que o prejudicariam.

Conforme o Greco, o professor universitário teria, a mando do jornalista, ido ao encontro do profissional liberal para receber o dinheiro.

Com informações do G1 Piauí

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Justiça do Ceará concede liberdade a DJ Ivis, responderá processo por violência doméstica

O produtor musical passou quatro meses preso. A Justiça do Ceará concedeu liberdade, nesta sexta-feira (22/10), a DJ Ivis após...

Guadalupe realiza aula de revisão para a prova SAEB 2021 com alunos do 5º e 9º ano

Professores do município e uma equipe da Consultoria AV. Moreira auxiliaram cerca de 320 alunos nas disciplina de Português...

Em reunião com presidente do Senado sobre ICMS, Wellington Dias defende gasolina a R$ 4,50

Os govenadores apresentaram como alternativa, para reduzir o valor do combustível, a capitalização do fundo de equalização do combustível. O...

Flávio Dino é eleito para a Academia Maranhense de Letras

Flávio Dino vai ocupar a cadeira de número 32 que era ocupada, até 2020, por Sálvio Dino, pai do...
spot_img

Aliados aconselham Ministro Paulo Guedes a salvar biografia e deixar governo

Agora, a leitura na Economia é de que Guedes deveria utilizar o espaço que terá no Congresso Nacional como...

Professora da Uespi ganha prêmio internacional com pesquisa sobre babaçu

Pesquisa avaliou a atividade antimicrobiana do corante no mesocarpo do babaçu. A professora do curso de Enfermagem da Universidade Estadual...
spot_img

Posts Recomendados