Geral'Nada vai intimidar a CPI', diz Renan Calheiros à...

‘Nada vai intimidar a CPI’, diz Renan Calheiros à CNN

-

spot_img

Relator diz que governo tenta intimidar os trabalhos da comissão e ‘não tem sequer uma linha de defesa’.

Em entrevista exclusiva à CNN na quinta-feira (13), o relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, senador Renan Calheiros (MDB-AL), disse que “nada vai, sinceramente, intimidar a CPI” com relação ao que chamou de “busca pela verdade” a respeito do enfrentamento da pandemia de Covid-19.

Segundo Renan, o governo Jair Bolsonaro (sem partido) tenta constranger a comissão na realização de seus trabalhos, mas a CPI “está indo muito bem”.

Senador Renan Calheiros – Foto Sérgio Lima/Poder360

“A cada depoimento que nós colhemos, nós vamos tendo a revelação dos fatos que estavam previstos no roteiro da apuração. Cada depoente tem colaborado mais que o depoente do dia anterior. Isso significa que a CPI está indo muito bem e que nós não estamos aceitando brigas políticas e obstruções”, afirmou o senador.

Renan Calheiros aproveitou para fazer novas críticas à maneira como o governo federal tem conduzido a crise sanitária. Acusou o governo de ter agido com “negacionismo” e disse que o presidente Bolsonaro “enxovalhava as vacinas”. “Nós vamos apurar, haja o que houver, se houve genocídio e, se houve genocídio, quem é o responsável por ele”. 

O relator disse que na sessão de quarta-feira (12) coube ao senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) cumprir o papel de “atacar a CPI e de atacar o relator”. Na ocasião, Flávio chamou Renan de “vagabundo”, que devolveu o xingamento. 

Para o senador pelo Alagoas, a declaração de Flávio é reflexo da “cultura do miliciano, que acha que não comete crime” e que “todo mundo que está diante dele, o enfrentando, é um vagabundo”. 

Nesta quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro repetiu o que disse o senador Flavio Bolsonaro.

O presidente, que estava em evento no estado de Alagoas, por onde Renan é senador, não citou o relator da CPI nominalmente, mas disse que “se Jesus teve um traidor, temos um vagabundo inquirindo pessoas”. “É um crime o que está acontecendo nessa CPI”, pontuou. 

Bolsonaro estava acompanhado do presidente da Câmara e rival político de Renan, Arthur Lira (PP-AL). No evento, o presidente também fez referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a quem chamou de “ladrão de nove dedos”. 

Depoimento de Murillo, da Pfizer, à CPI da Pandemia

Em sua participação na CPI da Pandemia, o presidente da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, disse que a farmacêutica americana fez três ofertas de venda de sua vacina contra a Covid-19 ao governo brasileiro ainda em agosto de 2020.

Segundo Murillo, houve “reuniões iniciais exploratórias” nos meses de maio e de junho do ano passado. Em 14 de agosto, a Pfizer fez sua primeira oferta, em contratos de 30 milhões ou de 70 milhões de doses, e foi ignorada pelo governo. 

Outras duas propostas idênticas se seguiram, em 18 de agosto e em 26 do mesmo mês, ambas também ignoradas. No caso da última proposta, 1,5 milhão de doses poderiam ter sido entregues ainda em 2020 e também “um pouco mais de quantidade para o primeiro trimestre de 2021”, disse o executivo. 

Para Renan Calheiros, o depoimento de Carlos Murillo comprovou que o governo federal rejeitou a compra de 70 milhões de doses. 

Cronograma da Pfizer
Cronograma da Pfizer apresentado à CPI da Pandemia

Participação de Carlos Bolsonaro em reunião com a Pfizer

Carlos Murillo também afirmou que quando o governo federal finalmente manifestou interesse em adquirir as vacinas, em novembro de 2020, houve uma reunião no Palácio do Planalto com duas representantes da Pfizer, na qual estiveram presentes o assessor para Assuntos Internacionais da Presidência, Filipe G. Martins, o então secretário especial de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten, e o vereador pelo Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho do presidente Jair Bolsonaro. 

Em seu depoimento à CPI, na quarta-feira, Wajngarten disse que nunca teve “qualquer relação” com o filho do presidente.

À CNN, Renan Calheiros negou a intenção de convocar Carlos Bolsonaro para depor à CPI. Para ele, já foi possível “constatar que havia uma consultoria paralela, que definia políticas públicas, e que contava com a participação de pessoas que sequer eram do governo federal”. 

Gregory Prudenciano e Rudá Moreira, da CNN, em São Paulo e em Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Irmão da primeira dama Michelle Bolsonaro tem cargo no Senado com salário de R$ 13,5 mil

O servidor Diego Torres Dourado, de 33 anos, irmão de Michelle Bolsonaro, foi nomeado no final de março para...

Prefeita Neidinha Lima anuncia a retomada de cirurgias eletivas no Hospital de Guadalupe

A prefeita Neidinha Lima anunciou a volta do conceituado médico Dr. Dílson Barbosa Gomes, com atendimentos em consultório e...

Governo Federal reconhece emergência em 34 cidades do Piauí por causa da seca

Agora, já são 51 as cidades piauienses com reconhecimento federal. A Defesa Civil Nacional reconheceu a situação de emergência em...

Tenente-coronel do Corpo de Bombeiros do Piauí morre vítima da covid

O comandante do Corpo de Bombeiros do Piauí, Coronel Demetrius Rodrigues do Rêgo, lamentou a morte do bombeiro. Morreu na...
spot_img

Juliette é atração confirmada na live ‘Carvalheira e Xand Avião na Fogueira’

Se não bastasse a presença de nomes como Xand Avião, DJ Ivis, Nattan e Tato do Falamansa, a live...

Florentino Neto anuncia chegada de mais 97.640 doses de vacinas ao Piauí

O anúncio foi feito através das redes sociais. O Piauí deve receber doses da Pfizer, Coronavac e Janssen. O secretário...
spot_img

Posts Recomendados