Nacional Pesquisadores encontram "planeta improvável" em estrela gigante

Pesquisadores encontram “planeta improvável” em estrela gigante

-

Para estudar estas duas gigantes vermelhas, os pesquisadores recorreram a dados de asterossismologia.

Uma equipe internacional, liderada por um pesquisador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), no Porto (Portugal), estudou duas estrelas gigantes vermelhas e, numa delas, descobriu um “planeta improvável”, segundo anúncio feito hoje.

Foto: Reprodução

Em comunicado, o IA explica que a descoberta, publicada no “The Astrophysical Journal”, surge de um estudo sobre duas estrelas gigantes vermelhas – a HD 212771 e a HD 203949 – à volta das quais já se sabia que existiam “exoplanetas”.

“A investigação estudou duas estrelas gigantes vermelhas à volta das quais se conheciam exoplanetas, e numa delas encontrou um planeta aparentemente improvável”, adianta o IA.

Para estudar estas duas gigantes vermelhas, os pesquisadores recorreram a dados de asterossismologia (ciência que estuda o interior das estrelas através da atividade sísmica medida à superfície – oscilações) recolhidos através do satélite TESS (NASA).

Com estes dados, eles conseguiram determinar as propriedades físicas das duas estrelas, como a massa, tamanho e idade, mas acabaram por “focar” a sua atenção na estrela HD 203949 devido ao “estado revolucionário” da mesma.

“O objetivo era perceber como é que o seu planeta conseguiu evitar ser engolido pela estrela”, diz o IA.

Citado no comunicado, Vardan Adibekyan, um dos coautores do artigo, explica que a “solução para este dilema científico” remete para o fato de as estrelas e os seus planetas “evoluírem em conjunto”.

“Neste caso particular, o planeta conseguiu evitar ser consumido”, frisa Vardan Adibekyan, para quem este estudo é a “demonstração perfeita” de que a astrofísica estrelar e a exoplanetária estão “ligadas”.

“A análise da estrela parece sugerir que a estrela é demasiada evoluída para ainda ter um planeta numa órbita tão próxima, mas a análise exoplanetária mostra que o planeta está lá”, salienta.

Tiago Campante, pesquisador da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) que liderou a pesquisa, afirma que só foi “possível” detectar as oscilações porque o satélite TESS tem “precisão suficiente para medir as pulsações à superfície das estrelas”.

“Estas estrelas relativamente avançadas na escala evolutiva têm planetas em redor”, proporcionando um “laboratório de testes” ideal para estudar a evolução de sistemas planetários”, concluiu.

Com informações do Noticias ao Minuto Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Polícia Federal deflagra Operação Reagente II em 4 municípios do Piauí

Estão sendo cumpridos 10 mandados de busca e apreensão nas cidades de Teresina, Picos, Arraial e Isaías Coelho, além...

Ingerir café todos os dias pode mudar a estrutura do seu cérebro, diz estudo

Pesquisa da Universidade de Basileia mostra mudança na massa cinzenta após 10 dias de consumo diário de cafeína. Sono...

Bolsonaro vai ao Congresso e apresenta projeto para vender os Correios

O projeto define o marco regulatório para o setor postal e possibilita a desestatização da empresa. O presidente da República,...

Raríssimo, pinguim-rei amarelo é fotografado em ilha do Atlântico Sul

O fotógrafo belga Yves Adams foi o responsável por capturar a imagem rara (talvez, única) de um pinguim-rei sem...

Gordura localizada: Três dos piores alimentos para a barriga

Existem alguns alimentos que parecem causar um aumento de peso quase instantâneo. Sim, falamos sobre a temida gordura da...

Imposto de Renda 2021: entrega da declaração vai de 1º de março a 30 de abril

A declaração do Imposto de Renda é obrigatória para aqueles que receberam em 2020 mais do que R$ 28.559,70. Começa...

Posts Recomendados