Reunião promovida pela DPU no povoado Artur Passos, em Jerumenha, gera clima tenso e mudança de local devido as condições sanitárias

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Inicialmente o encontro promovido pela Defensoria Pública da União, estava marcado para a sede da Associação de Moradores e Remanescentes de Quilombo do Povoado de Artur Passos, que não foi realizado no local devido à falta de segurança sanitária, por conta da pandemia.

O Povoado de Artur Passos viveu mais um momento de tensão, na tarde desta sexta-feira (26/11), desta vez devido à realização de uma Oficina promovida pela DPU e órgãos parceiros, a frente o defensor público federal Dr. Benoni Ferreira Moreira, que integra o Grupo de Trabalho de Comunidades Tradicionais. Dr. Benoni veio acompanhado do Professor na Universidade Federal do Piauí, campus de Picos, Mairton Celestino, professor e antropólogo Áureo João de Sousa (Mestre em Sociologia pela Universidade Federal do Piauí) e Fernanda Rocha, professora e mestranda em antropologia, ambos fazem parte do Observatório Quilombos Piauí.

Devido à falta de condições sanitárias que garantisse proteção aos participantes devido o COVID-19, o encontro foi transferido para a residência do senhor Raimundo Damas, que atualmente é presidente da Associação de Moradores e Remanescentes de Quilombo do Povoado de Artur Passos, entidade que busca a confirmação do local como suposta comunidade quilombola.

Cópia do convite da DPU

A nossa reportagem se refere como suposta, porque existe um longo processo para essa legalização, e existe do outro lado um grande número de moradores, que discorda desse processo, que são representados pela AMCPRAP (Associação de Moradores, Criadores e Produtores da Região de Artur Passos).

Reunião na residência de Raimundo Damas

Após uma pequena discussão entre quem é a favor e quem é contra a efetivação do povoado como sendo quilombola, houve a mudança do local público para a residência do Presidente da Associação Contrária. Os moradores do povoado integrantes da outra associação afirmaram que foram impedidos de participar, ficando presente apenas os moradores que desejam o reconhecimento do povoado como quilombo.

Dr. Benoni

O encontro foi conduzido pelo defensor Dr. Benoni que fez um relato do que acontece numa comunidade já legalizada e reconhecida como quilombola. A reunião ocorreu apenas com a participação de aproximadamente 40 pessoas, que fazem parte da associação que pretende o reconhecimento do povoado como sendo remanescente de quilombola.

Os palestrantes explanaram sobre direitos humanos fundamentais e sobre os benefícios que recebem as comunidades que se autodefinem como remanescentes de quilombo.

Os professores Mairton e Fernanda afirmaram que um dos grandes problemas que existem em se garantir políticas públicas mais especificas para negros e indígenas e a autoaceitação, uma vez que boa parte dessa população que pertencem a essa etnia não se autoidentificam.

Raimundo Damas

A equipe do Portal Cidade Luz conversou com o presidente da entidade que representa o grupo da auto identificação da comunidade como quilombola Sr. Raimundo Damas, ele falou que a questão está andando e espera conseguir o reconhecimento.

O OUTRO LADO

O Portal Cidade Luz também ouviu a população da localidade que não aceita a autodefinição, que compõem a AMCPRAP (Associação de Moradores, Criadores, Produtores da Região de Artur Passos), presidida pela Senhora Ermínia Sousa e que tem como vice-presidente Alonso Ramos.

Ermínia Sousa e Alonso Ramos

Antes de falar sobre a divergência, os membros da AMCPRAP demonstraram indignação com o representante da Defensoria Pública da União, que na pessoa do defensor público Dr. Benoni, desconsiderou os filhos do povoado pelo simples fato de não residirem efetivamente em Artur Passos, e mesmo após esclarecimentos de que todos os dias estão presentes no povoado na casa dos pais onde nasceram e foram criados, foram impedidos de adentrar e participar da reunião.

 Sobre a situação do povoado, atestam que a população do povoado foi enganada desde o início da certificação concedida pela Fundação Cultural Palmares.

Segundo a presidente da associação de moradores senhora Ermínia e o vice Alonso Ramos, algumas pessoas, sem citar nomes, coletou um abaixo-assinado, com o pretexto de impedir lá no passado a construção da barragem Cachoeira, que seria construída no Rio Parnaíba próximo ao povoado.

Ocorre que, o abaixo-assinado, foi usado para outro fim, como se todos que assinaram tivessem se autodefinido quilombola.

Eles seguem, afirmando que houve vício de consentimento porque a população foi ludibriada.

Além do mais, foram falsificadas assinaturas de outras pessoas, que jamais concordaram com a autodefinição de quilombola.

Eles continuam relatando que as falsificações foram levadas à Policia Federal que através de pericias técnicas comprovaram as falsificações e vícios de consentimento.

O assunto já foi judicializado perante a Justiça Federal, que através de liminar já determinou a suspenção do processo de reconhecimento quilombola, este, em trâmite pelo INCRA do Piauí.

Relataram também que o processo de anulação do reconhecimento dos supostos quilombolas, está em andamento na Justiça Federal.

Confira as imagens

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Mecânico preso por roubo a joalheria alega inocência e diz que estava em competição de ciclismo no dia do crime

O irmão do jovem contou que o sentimento da família com a prisão foi de injustiça. Aplicativo de monitoramento...

Jerumenha fortalece programa social do SCFV, que chega ao povoado Barra do Lance com atividades para idosos

O grupo denominado Renascer da Melhor Idade conta com a participação de 25 integrantes, aos quais serão oferecidas atividades...

Nova fase da Lesa Pátria identifica envolvidos em atos de 8 de janeiro

Estão sendo cumpridos 34 mandados judiciais em 7 estados e no DF A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quinta-feira (29)...

Marido e esposa formam chapa para disputar a prefeitura de Canto do Buriti

Em um movimento político inusitado, o ex-prefeito Marquinhos Chaves, do município de Canto do Buriti, na região Sul do...
spot_img

Justiça do Piauí conclui separação de casal em 16 minutos; entenda o processo

O magistrado da Comarca destacou que o feito recorde se deu devido à integração entre os sistemas da Justiça...

Prefeitura de Floriano e Sebrae iniciam a 2ª etapa de capacitação dos permissionários do Mercado Público Central

A capacitação está sendo realizada de acordo com as áreas de vendas no mercado. A Prefeitura de Floriano, por...
spot_img

Posts Recomendados