Agespisa é condenada a restituir moradores por cobrança ilegal de tarifa em Uruçuí

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

A empresa vai restituir em dobro os valores cobrados indevidamente dos consumidores do município.

O juiz Markus Calado Schultz, da Vara Única da Comarca de Uruçuí, anulou a cobrança de uma tarifa de manutenção de hidrômetro que era realizada pela Agespisa no município, por considerar ela ilegal, e ainda condenou a empresa a restituir em dobro os valores cobrados indevidamente dos consumidores do município. A decisão é do dia 17 de setembro deste ano.

O Ministério Público ingressou com uma Ação Civil Pública contra a Agespisa alegando que em Uruçuí, a 459 km de Teresina, estaria ocorrendo uma cobrança mensal dos consumidores de uma tarifa de manutenção de hidrômetro, o que é feito de forma compulsória e independentemente de o consumidor ter o seu hidrômetro substituído ou reparado.

Agespisa é condenada a restituir moradores por cobrança ilegal de tarifa em Uruçuí

Segundo o MP, cobrança é abusiva e ilegal, porque estaria sendo realizada mesmo sem a prestação efetiva do serviço. “A manutenção dos hidrômetros é obrigação do demandado, como consequência da adequação, eficiência e qualidade da prestação do serviço público de fornecimento de água”, afirmou.

O Ministério Público disse que a cobrança acontecia desde 2016, mas ainda no ano de 2020 conseguiu uma liminar suspendendo a cobrança até que o caso fosse julgado. O órgão pediu pela causa um valor de R$ 200 mil pela cobrança.

“A Agespisa cobra mensalmente da população uruçuiense pelo serviço de manutenção do hidrômetro o valor mínimo de R$ 1,60/mês, ora, a população estimada de Uruçuí é de 21.655 pessoas, então considerando o período de tempo em que é cobrado ilegalmente tal serviço, o valor estabelecido na exordial é, no mínimo, razoável”, afirmou o órgão.

O juiz Markus Calado afirmou na decisão que a empresa estava cobrando por um serviço que é sua responsabilidade, então decidiu declarar a nulidade da cobrança da tarifa de manutenção de hidrômetro, e condenou a Agespisa a restituir os valores indevidamente cobrados dos consumidores, de forma dobrada.

“O serviço de manutenção de hidrômetro não ocorre com regularidade, não observa periodicidade, depende de eventual surgimento de problemas no aparelho. Assim, a cobrança de um valor fixo mensal não guarda compatibilidade com a natureza da cobrança, não havendo exata relação entre a cobrança e a efetiva prestação de serviço”, destacou o juiz na decisão.

Bárbara Rodrigues
[email protected]

Gleison Fernandes
Gleison Fernandeshttps://portalcidadeluz.com.br
Editor Chefe do Portal Cidade Luz

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

‘Churrasco do brasileiro’: Preço da picanha cai, mas cerveja fica mais cara em 12 meses

Carnes, frango e linguiça estão mais em conta, mas pão de alho, vinagrete e bebidas se tornaram principais vilões...

Com investimento de R$ 3 milhões, governo do Piauí entrega escola “modelo” em tempo integral

Fundado em 1938, o Ceti Fenelon Castelo Branco foi totalmente reformado e requalificado para se adequar ao padrão Seduc. O...

Campeonato de Jerumenha estreia com vitória dominante do China sobre o Serraria por 4X0

O Campeonato de Futebol de Jerumenha teve seu pontapé inicial ontem, 13 de abril, com um confronto entre as...

Wellington Dias defende Bolsa Família para trabalhadores rurais com carteira assinada

A matéria tramita na Câmara dos Deputados e sofre pressão da bancada ruralista, que tenta acelerar a aprovação do...
spot_img

PL que regula atividade dos motoristas de aplicativos ganha mais tempo na Câmara

Os profissionais seguem acompanhando as discussões no Congresso, que agora terá o texto analisado por outras 3 comissões da...

Mais R$ 1,4 bilhão está ao alcance dos produtores rurais por meio do Plano Safra

O montante disponível para operações de crédito foi anunciado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).  Advogado especialista...
spot_img

Posts Recomendados