Cigarros eletrônicos fazem mal à saúde; especialista explica mitos e verdades sobre o dispositivo popular entre os jovens

-

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Os Dispositivos Eletrônicos para Fumar possuem substâncias tóxicas além da nicotina e podem causar doenças respiratórias.

Os cigarros eletrônicos e produtos semelhantes são perigosos para a saúde e devem ser regulamentados para cortar pela raiz as táticas da indústria do tabaco para captar cliente.

Diversas pesquisas mostram os malefícios do consumo de cigarro para a saúde. Responsável por mais de 7 milhões de mortes anuais em todo o mundo, o produto há muito tempo deixou de ser símbolo de poder, status e liberdade. A meta da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que, ano após ano, o consumo seja reduzido.

Nos últimos anos, porém, surgbiram os cigarros eletrônicos. Com uma aparência moderna e com gostos disfarçados por uma infinidade de sabores e aromas, eles passam a ideia de serem inofensivos à saúde. Basta acessar as redes sociais para ver homens e mulheres jovens consumindo os vaporizadores. A “fumaça” densa tamém é comumente percebida nas rodas de amigos em bares, restaurantes ou até mesmo na praia.

Imagem – Reprodução

O que muitos não sabem, ou ignoram, é que, apesar de parecerem uma boa alternativa e serem socialmente aceitos, os Dispositivos Eletrônicos para Fumar (DEFs) são tão danosos quanto o cigarro convencional. A comercialização, importação e propaganda daqueles são proibidas no Brasil.

A pneumologista e coordenadora do Programa de Controle do Tabagismo do Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes (HM), Penha Uchoa, há mais de 20 anos ajuda pessoas a largarem o vício do tabagismo. Ela explica mitos e verdades sobre os cigarros eletrônicos e orienta sobre os riscos à saúde.

Os cigarros eletrônicos fazem mal à saúde?

Os cigarros eletrônicos são maléficos à saúde e não são seguros. Não há registros sobre os tipos de substâncias e as concentrações que estão presentes nos cartuchos, por exemplo. Os Dispositivos Eletrônicos para Fumar possuem substâncias tóxicas além da nicotina e podem causar doenças respiratórias. Em 2019, o surto de uma síndrome gripal que evoluiu para uma insuficiência respiratória aguda foi registrada entre jovens de vários estados americanos. A grave e misteriosa doença pulmonar estava ligada ao uso de cigarros eletrônicos. Nós, profissionais de saúde, precisamos chamar atenção desses jovens que estão procurando o cigarro eletrônico com a crença de que ele seja menos danoso. E não é.

Os cigarros eletrônicos são uma alternativa para parar de fumar?

Não há comprovação científica de que os cigarros eletrônicos sejam eficazes para a cessação tabágica. Os estudos científicos são limitados e de baixa certeza de evidência. O cigarro eletrônico pode, inclusive, levar as pessoas a fumarem mais, para compensar a falta do cigarro comum.

Além disso, outra coisa que está acontecendo é que muitos jovens e adolescentes que nunca fumaram estão experimentando o cigarro eletrônico e passam a ser usuários frequentes. Essa iniciação precoce pode ser também uma porta de entrada ao tabagismo convencional. Isso é um grande risco e um desserviço à saúde pública.

O cigarro eletrônico tem uma composição diferente do tradicional? 

Os cigarros eletrônicos são bem diferentes dos cigarros convencionais. Enquanto os tradicionais possuem registro das substâncias, concentrações e quantidades contidas nele, o cigarro eletrônico não possui registros formalizados.

O cigarro eletrônico possui três componentes essenciais: a bateria, o aerossolizador ou atomizador e o cartuxo que contém o líquido que, por sua vez, contém as substâncias – que podem ser nicotina, odorizantes e flavorizantes. A bateria aquece a solução líquida e, assim, gera o vapor.

Por não existir a combustão dos derivados do tabaco, como ocorre com o cigarro tradicional, os dispositivos eletrônicos não possuem monóxido de carbono. Além disso, ele também não contém alcatrão na composição.
A ausência dessas substâncias colabora com a ideia de que ele é seguro. Mas, apesar disso, ainda há a presença de outras substâncias tóxicas e a alta concentração de nicotina, que fazem com que o cigarro eletrônico seja ofensivo.

A comercialização dos DEFs é liberada no Brasil?

Desde 2009, a comercialização, importação e propaganda de cigarros eletrônicos são proibidas no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa – RDC 46, de 28/08/09). A justificativa é de que não existem estudos que comprovem a segurança na utilização dos DEFs, além de serem extremamente atraentes para os mais jovens, que tendem a aderir ainda mais ao produto.

Em relação ao narguilé: ele faz tão mal quanto o cigarro comum?

Apesar de serem igualmente atrativos, por terem um designer arrojado, eles são diferentes. O narguilé tem como base o tabaco e também vem de uma fonte de combustão. Isso significa que, além da nicotina, ele tem monóxido de carbono e alcatrão, assim como o cigarro tradicional.

Uma rodada de narguilé, de cerca de 1 hora, 1 hora e meia, pode equivaler a fumar mais de cem cigarros. Acontece que existe o fator socialização nessa história, dando destaque para a presença massiva do aparelho em bares e festas.

O tabagismo é um dos principais fatores de risco evitáveis e responsável por mortes, doenças e alto custo para o sistema de saúde, além da diminuição da qualidade de vida do cidadão e da sociedade. Não há nível seguro de exposição ao tabagismo. A única maneira de proteger adequadamente fumantes e não fumantes é eliminar completamente o uso desses produtos fumados.

Referência

O Hospital de Messejana possui o Programa de Controle do Tabagismo, sendo referência no tratamento de fumantes. Há quase 20 anos, o serviço auxilia pacientes na luta contra a dependência. O atendimento é feito por uma equipe multiprofissional, composta por médicos, enfermeiros, farmacêuticos, psicólogos e assistentes sociais.

Mais de três mil pessoas já foram atendidas pelo programa, que além de acompanhamento, realiza a distribuição gratuita de medicação para aliviar os sintomas da abstinência.

Na próxima segunda-feira (30), em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Tabagismo, celebrado no domingo (29), o HM promoverá uma série de palestras com os pacientes acompanhados na unidade.

“Retomamos os encontros presenciais em um local aberto, respeitando as recomendações sanitárias e vamos aproveitar a oportunidade para esclarecer sobre a relação do tabagismo com a Covid-19, dando orientações sobre como se manter motivado a largar o vício mesmo durante a pandemia”, ressalta Uchoa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Após fala de Bolsonaro, Petrobras diz que não há decisão sobre reajuste de combustível

Fato relevante publicado pela estatal vem após o presidente Jair Bolsonaro dizer que a empresa anunciaria uma redução de...

Prefeitura de Floriano ornamenta a cidade para festas de fim de ano

A Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, deu início à ornamentação de fim de ano em pontos diversos da...

Leilão do 5G vira argumento em compra da Oi por Tim, Claro e Vivo

As três companhias apontam que o leilão do 5G aumentou a concorrência no setor de telefonia com novos entrantes...

Quilombolas alegam que Ciro Nogueira invadiu território de patrimônio cultural

A denuncia veio de uma moradora da região, onde ela diz por vídeo, que o ministro entrou no quilombo...
spot_img

Encanador encontra mais de R$ 3 milhões em parede de igreja de famoso pastor da TV

O montante em dinheiro, que estava guardado em cerca de 500 envelopes, foi encontrado no templo Lakewood Church, que...

Bolsonaro diz que preço dos combustíveis cairá nos próximos dias

O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (5) que a Petrobras vai começar a anunciar uma série de reduções...
spot_img

Posts Recomendados