Cidades Deputada relata atraso no pagamento do cofinanciamento estadual para...

Deputada relata atraso no pagamento do cofinanciamento estadual para a saúde dos municípios

-

Na Assembleia, Teresa Brito também ressaltou os problemas da Maternidade Evangelina Rosa.

Nesta terça-feira (20), a deputada estadual e presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Piauí, Teresa Britto (PV), usou a tribuna da Casa para cobrar do Governo do Estado o repasse do cofinanciamento da Atenção Primária e dos Hospitais de Pequeno Porte (HPP) geridos pelos municípios.

A parlamentar participou de evento com mais de 70 prefeitos, na Associação Piauiense de Municípios (APPM), onde ouviu os relatos dos gestores municipais sobre as dificuldades causadas pelo atraso dos pagamentos.

Teresa Britto – Foto: Lucas Dias

“Um grande absurdo. Temos, como exemplo, o município de Santo Inácio, onde o repasse de R$ 8 mil mensais, que deve ser feito pelo Governo do Estado, está atrasado. Um dinheiro que ajuda no custeio de atenção básica, como a compra de medicamentos. A queixa pela situação precária e atrasos foi geral, inclusive do próprio partido do governador do Piauí”, afirma Teresa.

De acordo com a deputada, seis Prefeituras do Piauí entraram na justiça para receber os recursos atrasados do cofinanciamento. “Em Batalha e Palmeirais, já são R$ 2 milhões que o Estado deve aos municípios. Não dá mais para deixar pessoas doentes morrerem por falta de medicamento e atendimento médico. É o cúmulo do absurdo. Vamos continuar com as nossas vistorias e já temos uma agenda preparada para este próximo final de semana, em municípios que recebemos denúncias da população pela situação triste dos hospitais”, diz a deputada Teresa Britto.

No discurso, a deputada mencionou que os atrasos chegam a 31 meses, com os pequenos hospitais funcionando de forma precária e acumulando dívidas com fornecedores, prestadores de serviço e na aquisição de medicamentos. “Propomos que não se deve reduzir nenhum centavo de repasse para os municípios, até porque o recurso do cofinanciamento já é mínimo”, comenta.

A deputada Teresa Britto finalizou seu pronunciamento relatando sua indignação com a saúde do Piauí e pela morte de uma jovem, de 14 anos de idade, que deu entrada no Hospital do Satélite e foi transferida para a maternidade Dona Evangelina Rosa, já diagnosticada com princípio de eclâmpsia, que é a ocorrência de convulsões na gestante. “Deixaram a paciente entregue aos residentes e depois de quatro dias tiraram o bebê dessa paciente, que veio a óbito junto com a criança, no local. O caso da maternidade está muito grave. É caso de polícia”, defende Teresa Britto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Pix passa a ser usado para pagar impostos estaduais e municipais

Segundo o Banco do Brasil, os governos do Acre, do Piauí e de São Paulo iniciaram a integração à...

Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás de cozinha

Segundo a Petrobras, seus preços são baseados no valor do produto no mercado internacional e na taxa de câmbio. A...

Marina Silva se vê longe da disputa em 2022 e sugere frente pró-Ciro Gomes

Depois de receber 1% dos votos em 2018 na sua terceira tentativa de chegar à Presidência da República, a...

Carreta com bois tomba e vários animais morrem na BR-316 no Piauí

A carga saiu de Gonçalves Dias no Maranhão e tinha como destino a cidade de João Pessoa, capital do...

Ocupação de leitos de UTI chega a 94%, maior da pandemia em Teresina

A ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) atingiu 94% em Teresina, um recorde em toda a...

Bíblia Sagrada é encontrada intacta após incêndio que destruiu loja do “Tem Tem” em Floriano

A loja de variedades ficou completamente destruída por um incêndio de grandes proporções, com inúmeras explosões, na noite de...

Posts Recomendados