Lula fecha 2023 com alguns erros, muitos acertos e dados positivos na economia

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

O presidente chega ao fim de 2023 – primeiro ano do seu terceiro mandato – com alguns erros e tropeços, muitos acertos e dados bastante positivos na economia brasileira.

O cenário bem melhor que o previsto no começo do ano não se reflete, porém, na aprovação do governo mensurada pelas pesquisas. Há dois motivos para isso: os efeitos positivos para a economia ainda não chegaram totalmente “na ponta”, e a polarização política se mantém inabalada.

Os erros do primeiro ano do mandato atual foram registrados principalmente no campo em que Lula costuma se sair muito bem: a política externa.

Lula tropeçou nos comentários sobre a guerra da Rússia contra a Ucrânia, a ponto de ser criticado publicamente pelos Estados Unidos e por líderes da União Europeia.

Ascom

Depois, errou também nas declarações sobre o conflito Israel e Hamas – mas teve tempo para corrigir o tom.

Já os principais acertos se concentraram na área social e na economia, os dois setores mais importantes para a população brasileira.

O governo Lula 3 recriou o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida; corrigiu os rumos do Ministério da Saúde, e retomou a política de reajuste real do salário mínimo, que passa para R$ 1.412 a partir desta segunda-feira (1º).

São medidas que devem, na avaliação do governo, ter reflexos positivos na vida dos brasileiros a partir de 2024, com a consolidação dos programas sociais.

Economia superou as previsões

Na economia, os dados são muito melhores do que os previstos quando Lula tomou posse em 1º de janeiro de 2023.

O ano começou pesado, com a tentativa de golpe por bolsonaristas radicais que depredaram os prédios dos Três Poderes em Brasília indicando que Lula teria mais desafios do que imaginava no comando do Palácio do Planalto pela terceira vez – o que se refletiu em números pessimistas das previsões no começo do governo.

Doze meses depois, o país fecha o ano com:

  • um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) na casa dos 3%;
  • inflação abaixo do teto da meta, de 4,75%, pela primeira vez em três anos;
  • desemprego em 7,5% no mês de novembro, melhor resultado desde maio de 2015.

Além disso, a Bolsa fechou o ano batendo recordes e o dólar abaixo de R$ 5, em R$ 4,85.

Na avaliação da equipe de Lula, o encerramento de 2023 é um “grande presente de Natal” para o presidente da República.

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, destaca que o governo venceu os radicais que tentaram um golpe, reformulou a área social, pacificou a relação com o Congresso Nacional e fez a economia voltar a crescer, com desemprego em queda e juros também sendo reduzidos.

Polarização e aprovação do governo

Os auxiliares de Lula reconhecem, no entanto, que todo esse cenário positivo não se refletiu na aprovação do governo Lula.

A avaliação de “ótimo” e “bom” ficou estável ou caiu um pouco, na casa dos 40%. Mas a avaliação negativa, de “ruim” e “péssimo”, que começou o ano abaixo de 30%, encerra o ano perto ou acima de 30%.

Na prática, a avaliação é de que parte das pessoas que consideravam o governo “regular” pioraram essa avaliação, migrando para “ruim” ou “péssimo”.

O ministro da Secretaria de Comunicação Social, Paulo Pimenta, avalia que a polarização se cristalizou neste ano de 2023, prejudicando a avaliação da imagem do presidente Lula.

Segundo ele, os números do governo estão bem melhores, mas uma parcela da população, por causa da polarização, se recusa a admitir isso publicamente, mesmo com a vida dela melhorando.

Foi por isso que Paulo Pimenta colocou no ar neste final de ano uma campanha buscando exatamente acabar com o clima de divisão no país – divulgando os dados positivos do governo em 2023 e exibindo peças publicitárias mostrando que pessoas de todos os grupos políticos podem conviver harmonicamente, mesmo tendo diferenças na política.

O ministro acredita que será possível começar a reduzir essa polarização a partir do segundo ano do governo Lula com a sequência na melhora dos indicadores econômicos e sociais do país.

“O ano que vem vai ser melhor, fizemos várias mudanças e reformas, que vão se refletir ainda mais na vida da população em 2024”, avalia o ministro.

Economistas apontam também essa demora para que os indicadores positivos da economia cheguem na ponta, melhorando a vida da população.

Segundo especialistas, o efeito começa a ser sentido aos poucos e tende realmente a melhorar a avaliação do governo Lula caso se consolide nos próximos meses.

Leonidas Amorim
Leonidas Amorimhttps://portalcidadeluz.com.br
Acompanhe nossa coluna no Portal Cidade Luz e fique por dentro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Deputada Ana Paula quer explicações sobre fechamento de campus da Uespi

O Plenário da Assembleia Legislativa do Piauí aprovou, por unanimidade, o Requerimento 150/24, da deputada Ana Paula (MDB), solicitando...

Concurso da Polícia Militar: Alepi autoriza Governo do Estado a convocar novos candidatos

A proposta determina a contratação de mais policiais e mudanças no Estatuto da PM foram aprovadas em 1ª e...

Projeto que prevê castração química para estupradores é aprovado no Senado

O tratamento químico hormonal deve ser voluntário; PL foi aprovado pela CCJ e segue para à Câmara dos Deputados. A...

Novo DPVAT: seguro obrigatório voltará a ser pago em 2025

Serão garantidos os custos de atendimentos médicos, fisioterapia, medicamentos, equipamentos ortopédicos, que não sejam disponibilizados pelo SUS. O pagamento de...
spot_img

Na abertura do G20 em Teresina, Rafael Fonteles defende pacto global para o combate à fome e à pobreza

Com a presença de 52 delegações internacionais, as reuniões serão fechadas e contarão com visitas a programas locais. O governador...

Ônibus Lilás faz vários atendimentos em Landri Sales, ação foi solicitada por Adriana Sá

Adriana ressaltou a importância desses serviços para a população e informou que centenas de pessoas foram atendidas. Na manhã desta...
spot_img

Posts Recomendados