Palácio do Planalto age para evitar mudanças na PEC Eleitoral e não atrasar votação; ideia é pagar benefícios este mês

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Governo quer votação até quarta-feira, com objetivo de pagar benefícios neste mês

O governo federal está negociando com lideranças da Câmara dos Deputados, incluindo o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), para evitar que o texto da PEC Eleitoral seja alterado. O objetivo do Palácio do Planalto é que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) seja votada na quarta-feira. Isso permitiria ao governo começar a pagar os benefícios previstos com a proposta ainda neste mês, como o Auxílio Brasil turbinado, o vale-gás dobrado e o “Pix Caminhoneiro”.

O deputado Danilo Forte (União-CE), relator da PEC, já avisou que estuda incluir um auxílio para motoristas de aplicativo e retirar a menção ao estado de emergência do texto. Essa posição desagradou ao governo Jair Bolsonaro.

— Queremos o texto do Senado — disse ao GLOBO o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR).

O líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO), disse que o ideal é que não haja mudanças e sugeriu que melhorias no texto seja feita depois, em uma tramitação separada:

— A melhor condição é que não tenha mudança. Mas pode ser que, a exemplo de várias legislações, usa depois outros instrumentos para melhorar o tema. O ideal é que não tenha mudança na PEC.

Uma possível alteração na PEC atrapalha os planos do governo porque pode obrigar a proposta a voltar ao Senado, às vésperas do recesso parlamentar, embolando o desejo de Bolsonaro de começar a pagar os benefícios que serão viabilizados pela nova legislação ainda neste mês.

A expectativa é que o relatório de Forte seja votado na quarta-feira na comissão especial da Câmara dos Deputados. Se aprovada, a PEC seria levada ao plenário, onde precisa do apoio mínimo de 308 parlamentares em votação em dois turnos.

Divulgação

Força-tarefa do Planalto

Ministros e lideranças do governo entraram em campo para convencer a base aliada a não fazer alterações, principalmente com relação ao estado de emergência, que visa a tentar blindar Bolsonaro em relação às restrições vigente de concessão e aumento de benefícios perto da eleição.

Em conversas nas últimas horas, interlocutores do governo têm dito aos deputados que, se houver atrasos, os benefícios podem começar a ser pagos só em agosto, o que pode ser tarde demais para a estratégia eleitoral de Bolsonaro, com dificuldades de crescer nas pesquisas em que figura em segundo lugar, muito distante do líder, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

No Planalto, as negociações sobre a PEC estão sendo conduzidas pelo ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, em linha direta com Lira, que está alinhado com o governo. O ministro da Secretaria de Governo, Célio Faria Júnior, também participa das conversas.

Os retrocessos no Brasil em 2022

O governo vê a PEC como fundamental para melhorar a popularidade de Bolsonaro. Por isso, quer que a medida surta efeito na ponta o quanto antes — ou seja, que o dinheiro caia na conta de potenciais eleitores o mais rápido possível. Outra estratégia é destacar a necessidade de ação rápida para atender a população mais vulnerável, o que coincide com o discurso da oposição. Parlamentares da oposição votarão a favor da PEC, assim como ocorreu no Senado, mas tentam adiar o processo para mitigar os eventuais impactos da proposta a Bolsonaro.

Pacote de ‘bondades’ eleitoreiras

A PEC libera um gasto de R$ 41,2 bilhões para ampliar o Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600, além criar benefícios com o “Pix Caminhoneiro” (de R$ 1.000 mensais) e um auxílio para taxistas.

Benefícios a três meses da eleição

ProgramaPropostaCusto até dezembro
Auxílio BrasilElevar o valor mínimo de R$ 400 para R$ 600 e zerar a filiaR$ 26 bilhões
Vale-gásPassará a ser equivalente a um botijão de 13 kg a cada dois mesesR$ 1 bilhão
CaminhoneirosCriar benefício de R$ 1.000/mêsR$ 5,4 bilhões
TransporteSubsidiar gratuidade para maiores de 65 anosR$ 2,5 bilhões
EtanolSubsídosR$ 3,8 bilhões
TaxistasBenefício mensal de R$ 200 para taxistasR$ 2 bilhões
Alimenta BrasilAmpliação do programaR$ 500 milhões
TotalR$ 41,2 bilhões

Para liberar esses gastos e driblar a lei eleitoral, a PEC institui um estado de emergência no Brasil até dezembro. A lei das eleições proíbe a criação de auxílios durante o ano do pleito, a não ser em casos de emergência e calamidade.

Uma mudança na Constituição só pode entrar em vigor se houver uma convergência dos textos aprovados na Câmara e no Senado. Nesse caso, é preciso mudar a Constituição para furar o teto de gastos (regra que trava as despesas federais), driblar outras regras fiscais e também a legislação eleitoral.

Inclusão dos motoristas de aplicativos

Forte disse que quer ampliar o auxílio para taxistas (de até R$ 2 bilhões) a motoristas de aplicativos e tirar o estado de emergência. O governo é contra as duas propostas.

O temor do Planalto é que, sem estado de emergência, Bolsonaro corra o risco de ser condenado pela Justiça Eleitoral. Já no caso do benefício para motoristas de aplicativo, o argumento é que a medida seria muito ampla e de difícil controle — já que não existem cadastros municipais desses profissionais, como ocorre no caso dos taxistas.

Na área econômica, o temor dos técnicos é que o estrago fiscal seja ainda maior. Até agora, o pacote de medidas lançadas nos últimos dias já chega a R$ 55 bilhões. Esse pacote é composto pelos gastos previstos na PEC e também pela redução a zero dos impostos federais sobre a gasolina. Esse foi o limite dado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, nos bastidores. O valor não é por acaso: ele coincide com a quantidade de recursos extras que entrará nos caixas do governo neste ano.

As alterações estudadas por Danilo Forte vão contra a intenção inicial da Câmara de acelerar a tramitação do texto. Na sexta-feira, o texto foi apensado à PEC de biocombustíveis, que já tinha tido a admissibilidade aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça e que tramita na comissão especial.

Por Manoel Ventura — Brasília/O Globo

Leonidas Amorim
Leonidas Amorimhttps://portalcidadeluz.com.br
Acompanhe nossa coluna no Portal Cidade Luz e fique por dentro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Procurador pede ao TRE que suspenda registro do União Brasil; partido que Silvio Mendes disputa o Governo do Piauí

A assessoria jurídica da União Brasil divulgou nota. O procurador Regional Eleitoral, Marco Túlio Lustosa, ingressou com ação requerendo a...

Prefeitura de Floriano discute programação do Bicentenário da Independência e 7 de setembro

Na tarde da segunda-feira (8), o prefeito Antônio Reis Neto, reuniu, em seu gabinete, uma equipe para discutir a...

Justiça em SP condena Facebook a indenizar brasileiro que teve WhatsApp clonado

O Facebook foi condenado a pagar R$ 4.000 por danos a um usuário do WhatsApp que teve o aplicativo...

Carta pela democracia é oficialmente manifesto pró-Lula, diz Ministro Ciro Nogueira

Ministro da Casa Civil de Bolsonaro comentou o fato de o petista ter assinado o manifesto na segunda (8);...
spot_img

Candidata Gracinha Mão Santa diz que tem R$ 250 mil guardados em casa

No total, a candidata a deputa estadual declarou à Justiça Eleitoral possuir bens no valor de R$ 426 mil. Candidata...

WhatsApp começa a permitir “saída silenciosa” de grupos e esconder que está ‘online; veja mais

Novo recurso permite que apenas os administradores recebam notificação da saída. Também será possível esconder o 'online' ao abrir...
spot_img

Posts Recomendados