Pré-candidatos não precisam prestar contas de gastos à justiça, mas MP fiscaliza abusos

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Pré-campanhas estão cada vez mais antecipadas com grande volume de reuniões, divulgações e atos políticos.

A legislação eleitoral brasileira não prevê prestação de contas de gastos de pré-candidatos. A obrigação com a justiça se dá apenas no período estabelecido para início da propaganda eleitoral nas ruas, nos meios de comunicação e nas mídias digitais, a partir de agosto, após as convenções partidárias. Isso conflita com o volume de eventos de pré-campanha que, a cada eleição, estão começando mais cedo.

Imagem: Ilustração/reprodução


As reuniões com grande volume de pessoas, distribuição de material impresso como adesivos, divulgação de plataforma de governo em meio digital e outras atividades que antes só ocorriam no período oficial de campanha estão sendo antecipados.

A Lei 13.165/2015, que estabeleceu a minirreforma eleitoral, reduziu o tempo das campanhas, criou um teto de gastos para elas [regulamentado pelo Tribunal Superior Eleitoral a cada eleição] e passou a permitir a pré-campanha. Essa alteração autorizou pré-candidatos a divulgarem seu nome, dizerem que concorrerão a determinado cargo, exporem suas pretensões e promoverem reuniões abertas para discutir planos de governo. Só não podem pedir voto.

Todos esses gastos com, por exemplo, aluguéis, despesas com reuniões, estrutura de palco e som, entram na prestação de contas anual do partido ao qual pertence o pré-candidato. Já as despesas próprias do período de campanha, a partir de agosto, precisam ser contabilizados e informados à justiça eleitoral, com dados legalmente formalizados e conta bancária específica.

A pesar da falta de legislação criteriosa, já há jurisprudência sobre as despesas das pré-campanhas. Quanto a divulgação da pré-campanha, por exemplo, os gastos precisam ser compatíveis com as possibilidades de um pré-candidato médio. Não é permitido que o pré-candidato realize um alto gasto em determinado item de divulgação. A jurisprudência diz apenas que é preciso considerar valores medianos, porém não há um parâmetro específico definido.

O julgamento do senador Sérgio Moro é um exemplo. Dois partidos ofereceram denúncia e ele foi a julgamento acusado de exorbitar nas despesas quando ainda nem tinha oficializado sua campanha, viajando todo país divulgando sua plataforma. Porém, a justiça entendeu que o que ele gastou no período foi apenas 17% do total desembolsado em toda a campanha e, por isso, foi absolvido.

Ao site Consultor Jurídico, o advogado Arthur Rollo, especialista em Direito Eleitoral, declarou que concorda que o sistema eleitoral brasileiro precisa de regras mais claras para esse período. “Não faz sentido ter limites na campanha e não ter limites na pré-campanha. Na prática, tem gente gastando mais que o dobro do limite da campanha na pré-campanha”.

Apesar da falta de regramento específico, o Ministério Público Eleitoral se mantém vigilante e os candidatos devem ficar atentos aos excessos cometidos no período de pré-campanha para que não configure abuso.

Gleison Fernandes
Gleison Fernandeshttps://portalcidadeluz.com.br
Editor Chefe do Portal Cidade Luz

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Nova Caderneta da Criança atualiza teste para detecção de autismo

A nova edição da Caderneta da Criança – Passaporte da Cidadania fornece um teste para detecção precoce de risco...

Médico do IML de Floriano é investigado pelo Ministério Público

O procedimento preparatório de inquérito civil foi instaurado pela promotora Ana Sobreira Botelho Moreira em 12 de junho deste...

Assembleia pede explicação à UFPI sobre demora para homologar resultado de eleição

Demora do reconhecimento do resultado da eleição para reitor preocupa presidente da Assembleia Legislativa, Franzé Silva. O presidente da Assembleia...

Cigarros eletrônicos ‘Vapes’ provocam seis vezes mais intoxicação por nicotina que o cigarro comum

Atualmente, 3% da população do Brasil utiliza cigarros eletrônicos O cigarro eletrônico, conhecido como vape, provoca até seis vezes mais...
spot_img

Antônio Reis assina ordens de serviço para construção de praça e melhorias no aterro sanitário de Floriano

"Essas obras são de suma importância para a população florianense, que receberá mais um espaço de lazer e convivência",...

Governo Lula não vai apoiar mudanças na lei do aborto, diz ministro Padilha

Em visita a Minas Gerais, o ministro disse que o governo vai trabalhar para que o PL não seja...
spot_img

Posts Recomendados