Promotora pede indenização de R$ 100 mil contra empresa Princesa do Sul

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Empresa é acusada de prestar serviço de má qualidade no transporte coletivo intermunicipal.

O Ministério Público do Estado do Piauí, por meio da promotora Gabriela Almeida de Santana, ingressou com ação civil pública contra a empresa Expresso Princesa do Sul, acusada de prestar um serviço de má qualidade no transporte coletivo intermunicipal no trecho de São Raimundo Nonato a Teresina. Na ação, ajuizada na última quarta-feira (16), a representante ministerial pediu a condenação da empresa ao pagamento de indenização de R$ 100 mil por dano moral coletivo.

Promotora pede indenização de R$ 100 mil contra empresa Princesa do Sul

Segundo o Ministério Púbico, os ônibus do Expresso Princesa do Sul comumente apresentam para-brisas, bancos e cintos de segurança quebrados, pneus carecas e péssima condição de limpeza dos banheiros e dos veículos em geral.

“Ademais, constatou-se que os ônibus quebram constantemente na estrada e a empresa não disponibiliza de imediato um veículo extra, em caso de não ser possível o conserto. Inclusive, foi relatado nos autos do inquérito que os próprios motoristas improvisam o reparo quando o transporte apresenta defeito no percurso”, consta na ação.

A promotora ressalta ainda que ônibus da referida empresa já se envolveram em acidentes. “Cumpre relembrar que a permissionária requerida, conforme amplamente noticiado pelos veículos de comunicação do Estado do Piauí, esteve envolvida em acidentes trágicos nas estradas piauienses, culminando em lesões graves e mortes. Tais fatos causaram receio e pânico dentre os usuários que dependem dos ônibus da referida empresa”, destacou a representante da 2ª Promotoria de Justiça de São Raimundo Nonato.

Pedidos

Diante disso, o Ministério Público pediu que a Justiça determine à Secretaria de Estado dos Transportes a inspeção de toda a frota de ônibus do Expresso Princesa do Sul. Ao final, se for comprovado que a empresa não possui condições técnicas e estruturais para operar, a promotora pede a extinção judicial do contrato que permite a prestação do serviço. Além disso, foi pedida a condenação da empresa ao pagamento de R$ 100 mil por dano moral coletivo.

Gleison Fernandes
Gleison Fernandeshttps://portalcidadeluz.com.br
Editor Chefe do Portal Cidade Luz

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

SEINFRA realiza obras de tapa-buracos no Planalto Sambaíba e desobstrução em ruas de Floriano

A Prefeitura de Floriano, através da Secretaria de Infraestrutura, deu início a mais duas obras de reparo com o...

Ex-secretário de Administração do governo Dr. Pessoa terá que devolver R$ 10 milhões aos cofres públicos

A Segunda Câmara Virtual do Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE-PI) acatou, por unanimidade, o teor de representação...

TRE do Paraná marca para 1º de abril julgamento que pode cassar Sérgio Moro

Anteriormente, o tribunal havia anunciado que a posse do novo desembargador José Rodrigo Sade ocorrerá em 6 de março. O...

Quem mudou de lado será julgado pela população, diz Ciro Nogueira sobre ex-aliados

Eleições 2024. Em entrevista ao Jornal do Piauí nesta quinta-feira (22), o senador Ciro Nogueira (PP) criticou a adesão de...
spot_img

Marcelo Castro diz que reeleição foi um ‘equívoco’ e defende mandato de 5 anos para o Executivo

Segundo o parlamentar, a expectativa é apresentar ao colégio de líderes as principais mudanças sugeridas ao projeto original da...

Câmara de Jerumenha faz abertura do ano legislativo com aprovação de projetos

Na abertura do ano legislativo, foram aprovados projetos importantes: reajuste salarial para servidores proposto pelo executivo, isenção de taxas...
spot_img

Posts Recomendados