Ricos já procuram contratos de namoro; Saiba por quê

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Advogados de grandes bancas relatam dezenas de consultas por acordos afins.

O Dia dos Namorados é amanhã, mas nem tudo são flores. Preocupados com a possibilidade de terem de dividir bens, casais estão procurando grandes escritórios de advocacia para firmar “contratos de namoro”.

Foto: Getty Images

Parece “Black Mirror”, a série distópica da Netflix sobre o futuro das relações sociais, mas é a vida real em 2019.

Advogados de grandes bancas relatam dezenas de consultas por acordos afins.

Os pombinhos, eles dizem, têm perfil de alta renda – faz sentido, a considerar a natureza patrimonial da preocupação e o custo da consultoria – e um objetivo em comum: formalizar que não há intenção de constituir família e afastar o risco de implicações patrimoniais.

No horizonte deles está uma preocupação com que, uma vez terminados, os relacionamentos sejam enquadrados como uniões estáveis, algo cada vez mais frequente, segundo a advogada Fernanda Haddad, associada de contencioso cível e wealth management do Trench Rossi Watanabe.

“O contrato de namoro serve para preservar as partes de impactos patrimoniais. Morando juntos ou não”, diz a advogada, “se houve uma relação de que familiares e amigos tinham conhecimento, uma das partes poderá alegar que viveu em união estável e, com base nisso, exigir parte dos bens”.

Como o regime-padrão de partilhas na união estável é o da comunhão parcial, e como grande parte das uniões não são assim reconhecidas durante a relação, quando se poderia debater o regime, mas só ao fim dela, cônjuges que adquiram bens durante namoros correm risco de terem de dividi-los.

Para a advogada Fernanda, do Trench Rossi Watanabe, a preocupação ganha corpo graças a uma falta de hábito. “O brasileiro não tem o costume de falar sobre patrimônio nas relações amorosas”, ela reflete.

A despeito dessa dificuldade – ou justamente por causa dela? –, advogados relatam uma procura cada vez maior por meios de organização patrimonial.

No caso do “contrato de namoro”, a formalização é simples: um instrumento particular com provas de ciência das cláusulas, “como numa prestação de serviço qualquer”, explica a advogada.

Com informações do Valor investe

Leonidas Amorim
Leonidas Amorimhttps://portalcidadeluz.com.br
Acompanhe nossa coluna no Portal Cidade Luz e fique por dentro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

‘Patrimônio nacional’, cão caramelo será estrela em filme da Netflix

A produção promete surpreender com uma história que une humor, drama e a realidade dos cães de rua, trazendo...

Floriano realiza Dia D de Vacinação Contra a Poliomielite

"A imunização em massa é crucial para mantermos as nossas crianças, a nossa cidade livre da poliomielite. Agradecemos a...

Sebrae realizará Piauí Sampa 2024 entre os dias 25 e 29 de junho

Mostra acontecerá no Shopping Vila Olímpia, em São Paulo Entre os dias 25 e 29 de junho, o Sebrae realizará...

Dia de conscientização alerta sobre preconceito contra albinismo

Condição genética atinge 21 mil brasileiros, diz secretaria Ainda cercado por muitos tabus e preconceitos, o albinismo, condição genética na...
spot_img

Papa Francisco se reunirá com Lula, Biden, Zelensky, Macron e Modi no G7

Perigos perversos da inteligência artificial devem ser um dos temas O papa Francisco se reunirá com os líderes do Brasil,...

Em publicação nacional, Piauí é reconhecido como potência mundial da energia verde

O Jornal Correio Brasiliense destaca o ousado plano de tornar o estado uma referência mundial na produção de hidrogênio...
spot_img

Posts Recomendados