STF reconhece assédio judicial a jornalistas e veículos de imprensa

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Decisão foi tomada por unanimidade

Por unanimidade, o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu nesta quarta-feira (22) o chamado “assédio judicial” contra jornalistas e veículos de imprensa. Com a decisão, a Corte confirma a ilegalidade do ajuizamento de inúmeras ações judiciais para constranger ou dificultar o exercício da liberdade de imprensa.

Pelo entendimento, as ações nas quais pessoas citadas em matérias jornalísticas buscam indenizações devem ser julgadas pela Justiça da cidade onde o jornalista mora. Atualmente, quem processa pode escolher a cidade em que a ação vai tramitar, pulverizando os processos contra a imprensa.

Imagem – Reprodução

Os ministros também acrescentaram na decisão que a responsabilização de jornalistas e veículos de imprensa deve ocorrer somente em caso de dolo ou culpa grave, ou seja, por negligência profissional, com a intenção de prejudicar a pessoa citada em uma reportagem.

O julgamento foi motivado por ações protocoladas pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI).

A questão foi decidida com base no voto do ministro Luís Roberto Barroso. O ministro citou casos de 100 ações ajuizadas ao mesmo tempo em diversos estados contra jornalistas. As ações são movidas por pessoas citadas em reportagens para buscar indenização por danos morais.

Durante a sessão, Barroso disse que o Brasil possui um “passado que condena” em questões sobre liberdade de imprensa.

“A história do Brasil teve censura à imprensa, com páginas em branco, receita de bolo, poemas de Camões, todas as músicas tinham que ser submetidas ao departamento de censura, o balé Bolshoi foi proibido de ser encenado porque era [considerado] propaganda comunista”, comentou.

A ministra Cármen Lúcia acrescentou que o assédio judicial contra jornalistas é uma forma de perseguição.

“Se nós vivemos a década de 1970, com toda forma de censura, hoje nós temos outras formas de censura particulares. Nós não queremos defender e dar guarida a novas formas de censura, estamos falando de liberdade”, completou.

Leonidas Amorim
Leonidas Amorimhttps://portalcidadeluz.com.br
Acompanhe nossa coluna no Portal Cidade Luz e fique por dentro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Nova Caderneta da Criança atualiza teste para detecção de autismo

A nova edição da Caderneta da Criança – Passaporte da Cidadania fornece um teste para detecção precoce de risco...

Médico do IML de Floriano é investigado pelo Ministério Público

O procedimento preparatório de inquérito civil foi instaurado pela promotora Ana Sobreira Botelho Moreira em 12 de junho deste...

Assembleia pede explicação à UFPI sobre demora para homologar resultado de eleição

Demora do reconhecimento do resultado da eleição para reitor preocupa presidente da Assembleia Legislativa, Franzé Silva. O presidente da Assembleia...

Cigarros eletrônicos ‘Vapes’ provocam seis vezes mais intoxicação por nicotina que o cigarro comum

Atualmente, 3% da população do Brasil utiliza cigarros eletrônicos O cigarro eletrônico, conhecido como vape, provoca até seis vezes mais...
spot_img

Antônio Reis assina ordens de serviço para construção de praça e melhorias no aterro sanitário de Floriano

"Essas obras são de suma importância para a população florianense, que receberá mais um espaço de lazer e convivência",...

Governo Lula não vai apoiar mudanças na lei do aborto, diz ministro Padilha

Em visita a Minas Gerais, o ministro disse que o governo vai trabalhar para que o PL não seja...
spot_img

Posts Recomendados