STF tem maioria a favor da criminalização da homofobia

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Julgamento foi suspenso e será retomado no dia 5 de junho.

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou hoje (23) maioria de seis votos a favor da criminalização da homofobia como forma de racismo. Apesar do placar da votação, o julgamento foi suspenso e será retomado no dia 5 de junho.

Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

Até o momento, a Corte está declarando a omissão do Congresso em aprovar a matéria e determinado que o crime de racismo seja enquadrado nos casos de agressões contra o público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis) até que a norma seja aprovada pelo Parlamento.

O julgamento começou em fevereiro e foi retomado nesta tarde com as manifestações da ministra Rosa Weber e do ministro Luiz Fux, também favoráveis à criminalização. Com os votos de Weber e Fux, ficou formada a maioria com os votos de Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, além do relator, Celso de Mello.

Em seu voto, Rosa Weber entendeu que a Constituição obrigou o Congresso a aprovar medidas para punir comportamentos discriminatórios, que inclui as condutas direcionadas à comunidade LGBT. Segundo a ministra, o comando constitucional não é cumprido desde a promulgação da Carta Magna, em 1988.

“A mora do Poder Legislativo em cumprir a determinação que lhe foi imposta está devidamente demonstrada. A existência de projetos de lei não afasta a mora inconstitucional, que somente se dá com a efetiva conclusão do processo legislativo”, disse.

Em seguida Fux também concordou com a tese de morosidade do Congresso e afirmou que as agressões contra homossexuais não são fatos isolados. “A homofobia se generalizou, muito embora, quando o STF julgou a união homoafetiva, as cenas de violência explícita homofóbicas diminuíram”, disse.

O caso é discutido na Ação a Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) nº 26 e no Mandado de Injunção nº 4.733, ações protocoladas pelo PPS e pela Associação Brasileiras de Gays, Lésbicas e Transgêneros (ABGLT) e das quais são relatores os ministros Celso de Mello e Edson Fachin.

As entidades defendem que a minoria LGBT deve ser incluída no conceito de “raça social”, e os agressores, punidos na forma do crime de racismo, cuja conduta é inafiançável e imprescritível. A pena varia entre um e cinco anos de reclusão, de acordo com a conduta.

Na abertura da sessão de hoje, por maioria de votos, a Corte decidiu continuar o julgamento mesmo diante da deliberação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal, que aprovou ontem (22) a mesma matéria, tipificando condutas preconceituosas contra pessoas LGBT.

Com informações da EBC

Leonidas Amorim
Leonidas Amorimhttps://portalcidadeluz.com.br
Acompanhe nossa coluna no Portal Cidade Luz e fique por dentro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Presidente Lula propõe governança global para inteligência artificial

Presidente brasileiro participou da Cúpula do G7, na Itália. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva propôs, nesta sexta-feira (14),...

Prefeito de Marcos Parente visita comunidade Cocal e acompanha serviços de saúde e limpeza pública

Descentralização dos serviços. Na manhã desta sexta-feira, 14 de junho, o prefeito de Marcos Parente, Gedison Alves, visitou a comunidade...

Prefeitura de Floriano realiza II Fórum Comunitário do Selo UNICEF

“É preciso que haja a participação social de todos, garantindo o envolvimento dos Conselhos Municipais de Direitos da Criança...

Cidades piauienses estão em alerta de perigo potencial para baixa umidade do ar

A umidade relativa do ar chegará a níveis de potencial perigo em 25 cidades piauienses, segundo aponta o alerta...
spot_img

“Sou pré-candidato a vereador, para seguir trabalhando por Guadalupe”, disse Dr. Dílson Barbosa ao Portal Cidade Luz

O Presidente da Câmara de Guadalupe reafirmou seu apoio ao grupo liderado pela prefeita Neidinha Lima e à chapa...

Piauí recebe representantes de 11 estados para apresentar projeto de recuperação de celulares

Nos cinco primeiros meses de 2024, houve uma redução de 42% de roubo de celulares no estado, em comparação...
spot_img

Posts Recomendados