NacionalTaxa Selic cai para 2% ao ano, a menor...

Taxa Selic cai para 2% ao ano, a menor da história

-

spot_img

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) anunciou novo corte de 0,25 ponto percentual na taxa básica de juros nesta quarta-feira (5). Assim, em sua nona redução consecutiva, a Selic caiu de 2,25% ao ano para a nova mínima histórica de 2% ao ano. 

Imagem – Reprodução

A decisão do comitê vem em linha com o que era esperado pelo mercado financeiro, dando continuidade ao movimento de redução do juros no Brasil iniciado em julho de 2019, quando a taxa passou de 6,5% para 6%.

O Copom aumentou o horizonte previsto para a permanência da taxa básica de juros em patamar mais baixo como o atual, estendendo, em grau menor, até 2022.

“O Comitê entende que essa decisão reflete seu cenário básico e um balanço de riscos de variância maior do que a usual para a inflação prospectiva e é compatível com a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante, que inclui o ano-calendário de 2021 e, em grau menor, o de 2022”, disse em comunicado à imprensa. 

Ao reduzir os juros básicos da economia, o Copom busca baratear os custos de crédito para os consumidores, bem como incentivar a produção e o consumo no país.

O forte impacto econômico da pandemia da Covid-19, que levará a uma forte queda das economias global e doméstica, intensificou o movimento do comitê de corte dos juros nos últimos meses: nas últimas duas reuniões, o a Selic caiu em 0,75 ponto percentual. Antes disso, o último corte desse patamar havia sido em outubro de 2017. 

De acordo com o Boletim Focus do BC, apesar de terem melhorado suas estimativas, os economistas do mercado financeiro ainda esperam uma queda de 5,77% para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2020. A projeção da equipe econômica foi mantida em recuo de 4,7%.

Por outro lado, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) esperam, respectivamente, contração de 8% e 9,1% na economia brasileira. 

A Selic serve como base para o cálculo dos juros das diferentes modalidades de crédito oferecidas pelos bancos e demais instituições financeiras do país. A cada 45 dias o Copom se reúne para definir pela manutenção, redução ou alta da taxa, sempre em direção do cumprimento da meta de inflação, que é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Porta aberta para novo corte 

Apesar de não antever novos cortes, o Copom avalia que, como a conjuntura econômica continua a prescrever estímulo monetário “extraordinariamente elevado”, ainda há um espaço pequeno para a atuação da política monetária.

“Devido a questões prudenciais e de estabilidade financeira, o espaço remanescente para utilização da política monetária, se houver, deve ser pequeno. Consequentemente, eventuais ajustes futuros no atual grau de estímulo ocorreriam com gradualismo adicional e dependerão da percepção sobre a trajetória fiscal, assim como de novas informações que alterem a atual avaliação do Copom sobre a inflação prospectiva”, informou o Banco Central. 

Inflação

A taxa Selic é a principal ferramenta do BC para controle da inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). No cenário híbrido que utiliza câmbio fixo e juros do mercado financeiro, o Copom alterou sua projeção para o IPCA em 2020 de 2% para 1,9%.

O valor é abaixo do piso da meta, que, neste ano, tem centro em 4%, com tolerância 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, ou seja, podendo variar de 2,5% a 5,5%.

Para o Copom, os diversos programas de estímulo creditício e de recomposição de renda podem fazer com que a redução da demanda agregada seja menor do que a estimada, adicionando uma assimetria ao balanço de riscos.

“Esse conjunto de fatores implica, potencialmente, uma trajetória para a inflação acima do projetado no horizonte relevante para a política monetária”, disse.

No início desta semana, o relatório semanal do BC, o Boletim Focus, que reúne as expectativas do mercado financeiro para os principais indicadores macroeconômicos, trouxe a expectativa de uma Selic a 2% até o fim de 2020 e uma inflação de 1,63%.

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Pelo menos 203 congressistas já foram infectados por covid-19 e 4 morreram

Levantamento identificou que pelo menos 1/3 dos congressistas tiveram covid-19 até agora. São no mínimo 172 dos 513 deputados...

Secretaria de Saúde de Jerumenha alerta população para cuidados extras com o vírus da Covid-19

Os números tem aumentado diariamente e já existe suspeita da variante no município. A Secretária Municipal de Saúde de Jerumenha...

Professor Jones fala da sua gestão à frente da Câmara Municipal de Bertolínia

O vereador estar em seu terceiro mandato, sendo o mais votado na última eleição. Ele denunciou o ex-prefeito Luciano...

Wellington Dias denuncia a ONU falta de sedativos em 11 Estados

O governador do Piauí lidera o Consórcio Nordeste e deu os encaminhamentos na reunião realizada com a Organização das...
spot_imgspot_img

Prefeitura de Guadalupe promove blitz educacional ambiental para conscientização da população

O evento foi organizado pela secretaria municipal de Meio Ambiente, visando mobilizar a sociedade para proteção dos recursos ambientais,...

Alta no preço da carne deve durar até maio, dizem especialistas

País reduziu abate de vacas e aumentou inseminação artificial para acelerar produção de bezerros e atender demanda. A alta no...
spot_img

Posts Recomendados