Médico com câncer incurável no cérebro cria o próprio tratamento e está livre da doença

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

O médico Richard Scolyer descobriu no ano passado que tinha glioblastoma, um tipo de câncer incurável no cérebro. Aí decidiu usar em si mesmo o tratamento que ele havia criado para melanoma.

Um médico diagnosticado com um tipo de câncer incurável no cérebro decidiu criar o próprio tratamento e agora, 1 ano depois, está livre da doença.

Richard Scolyer é um médico australiano e professor da Universidade de Sydney. No ano passado, ele foi diagnosticado com glioblastoma, um tipo de câncer agressivo no cérebro e como sabia que não existe cura para a doença, decidiu ele mesmo procurar uma saída.

E deu certo. Richard Scolyer, disse que “não poderia estar mais feliz” depois que os resultados de uma ressonância magnética recente mostraram que não havia sinais de recorrência de seu glioblastoma, 1 ano depois de iniciar o tratamento experimental que ele criou.

Foto: reprodução / X @ProfRScolyerMIA

Tratamento pioneiro contra outro tipo de câncer

O professor Richard Scolyer já tinha sido nomeado como um dos australianos do ano por seu trabalho pioneiro que salvou vidas sobre o melanoma. E foi essa mesma base que o médico usou tratar seu próprio câncer.

Em post no X – antigo Tiwtter – o professor Scolyer agradeceu:

“Obrigado à equipe fabulosa que cuidou tão bem de mim, especialmente minha esposa Katie e minha família maravilhosa”.

A descoberta da doença

Richard descobriu que tinha um tumor maligno em junho do ano passado, após ter sofrido uma convulsão na Polônia.

Sabendo que não tinha cura, ele decidiu usar em si mesmo a base de seu trabalho de mudança de vida sobre o melanoma.

Assim, Richard se tornou o primeiro paciente com câncer cerebral do mundo a receber imunoterapia combinada pré-operatória.

A cura da doença

Os professores, que também são co-diretores médicos do Melanoma Institute Australia, tornaram a doença curável graças à abordagem de imunoterapia, que ativa o sistema imunológico do próprio paciente de forma mais eficaz.

Em entrevista à Sky News em fevereiro, o professor Richard Scolyer disse que “o risco de reações adversas graves a esses tipos de medicamentos é bastante alto, mas até agora tudo foi tranquilo, então não poderia estar mais feliz e espero fica assim por mais algum tempo”.

Richard agora está esperançoso de que o tumor não retorne, mesmo porque, segundo o médico, o tempo médio de recorrência do tumor cerebral de grau quatro que ele tinha é de seis meses.

“Ao realizar um tratamento experimental com risco de encurtar sua vida, ele avançou na compreensão do câncer no cérebro e está beneficiando futuros pacientes”, disse a Universidade de Sydney ao anunciar o prêmio Australianos do Ano para o professor Richard Scolyer e o professor Long.

“Mostramos que… é possível ativar o sistema imunológico e fazê-lo muito bem, e este é agora um primeiro passo fundamental para mudar o campo e a forma como os medicamentos são explorados no câncer cerebral”, afirmou o professor Long.

Um ano depois do tratamento que ele mesmo criou contra melanoma, Richard está curado do glioblastoma, um tipo grave de câncer no cérebro – Foto: reprodução / X – @DrAhmedKalebi

Leonidas Amorim
Leonidas Amorimhttps://portalcidadeluz.com.br
Acompanhe nossa coluna no Portal Cidade Luz e fique por dentro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Nova Caderneta da Criança atualiza teste para detecção de autismo

A nova edição da Caderneta da Criança – Passaporte da Cidadania fornece um teste para detecção precoce de risco...

Médico do IML de Floriano é investigado pelo Ministério Público

O procedimento preparatório de inquérito civil foi instaurado pela promotora Ana Sobreira Botelho Moreira em 12 de junho deste...

Assembleia pede explicação à UFPI sobre demora para homologar resultado de eleição

Demora do reconhecimento do resultado da eleição para reitor preocupa presidente da Assembleia Legislativa, Franzé Silva. O presidente da Assembleia...

Cigarros eletrônicos ‘Vapes’ provocam seis vezes mais intoxicação por nicotina que o cigarro comum

Atualmente, 3% da população do Brasil utiliza cigarros eletrônicos O cigarro eletrônico, conhecido como vape, provoca até seis vezes mais...
spot_img

Antônio Reis assina ordens de serviço para construção de praça e melhorias no aterro sanitário de Floriano

"Essas obras são de suma importância para a população florianense, que receberá mais um espaço de lazer e convivência",...

Governo Lula não vai apoiar mudanças na lei do aborto, diz ministro Padilha

Em visita a Minas Gerais, o ministro disse que o governo vai trabalhar para que o PL não seja...
spot_img

Posts Recomendados