Curiosidades Nova teoria: pode não ter sido um asteroide que...

Nova teoria: pode não ter sido um asteroide que causou extinção dos dinossauros

-

Os dinossauros podem ter sido mortos por um cometa em vez de um asteroide.

Em uma nova teoria publicada na última segunda-feira (15) na Scientific Reports, pesquisadores de Harvard questionam que tenha sido um asteroide o corpo espacial envolvido na extinção dos dinossauros.

Os cientistas defendem que foi, sim, um pedaço de um cometa que caiu na Terra há mais de 66 milhões de anos para criar a cratera Chicxulub

Localizada na Península de Yucatán, no México moderno, essa cratera se estende por cerca de 180 quilômetros. O impacto que criou Chicxulub está ligado ao evento de extinção do Cretáceo-Paleógeno, que matou os dinossauros e muitas outras espécies, de acordo com o estudo.

“Deve ter sido uma bela visão (a queda do cometa), mas a diversão acabou quando a rocha atingiu o solo”, disse o co-autor do estudo Abraham Loeb, professor de ciências da Universidade de Harvard.

Loeb teoriza que um pedaço de um cometa foi o culpado pelo evento de extinção em massa, não um asteroide como muitos cientistas defendem. Segundo ele, o cometa se originou da Nuvem de Oort, um grupo de objetos gelados localizados na borda do sistema solar.

Um cometa é um pedaço de lixo espacial feito principalmente de gás congelado, enquanto um asteroide é um pedaço de rocha mais comumente encontrado no Cinturão de Asteroides, uma coleção de asteroides entre Marte e Júpiter, de acordo com o correspondente meteorológico da CNN, Chad Myers.

A probabilidade de um asteroide com um diâmetro de pelo menos 6,2 milhas causar um evento de impacto Chicxulub é de uma em cada 350 milhões de anos, de acordo com o estudo. Os cometas de longo período – cometas com uma órbita de mais de 200 anos – que são capazes do evento Chicxulub são significativamente mais raros, com um ocorrendo a cada 3,8 a 11 bilhões de anos, indicam os cientistas de Harvard.

O caminho provável do cometa

Os pesquisadores oferecem um cenário de como o cometa poderia ter vencido essas probabilidades de longo prazo.

Conforme o corpo espacial viajou da Nuvem de Oort para o centro do sistema solar, a força gravitacional de Júpiter poderia ter dado um impulso para que tivesse velocidade suficiente para chegar ao sol, de acordo com Loeb.

“Júpiter age como uma máquina de pinball”, disse Loeb. “Quando algo chega perto disso, pode dar um chute.”

Ao chegar ao sol, a força gravitacional do astro poderia ter quebrado o cometa em vários pedaços. Dividido em várias partes, é 10 vezes mais provável que o cometa atingisse a Terra quando os pedaços se afastassem do Sol, de acordo com Loeb.

Outros pesquisadores discordam

Outros pesquisadores não concordaram com as descobertas do novo estudo e ainda dizem que várias pistas apontam para um asteroide criando a cratera Chicxulub.

Uma evidência é o Iridium – junto com um punhado de outros elementos químicos – encontrado espalhado ao redor do planeta após o impacto, disse David Kring, principal cientista do Instituto Lunar e Planetário em Houston, que não esteve envolvido no estudo do cometa.

Kring disse que as proporções desses elementos são as mesmas proporções vistas em amostras de meteoritos de asteroides.

O pedaço do cometa também teria sido pequeno demais para fazer uma cratera desse tamanho, disse Natalia Artemieva, cientista sênior do Instituto de Ciência Planetária, que também não esteve envolvida no estudo.

A pesquisa estimou o tamanho do pedaço do cometa em cerca de 6,4 km de largura, e Artemieva argumentou que o corpo espacial precisaria ter pelo menos 12 km de largura para fazer uma cratera do tamanho de Chicxulub.

Com o pequeno pedaço do cometa, disse ela, “é absolutamente impossível”, e o tamanho da cratera do impacto seria pelo menos metade do tamanho.

Kring também observou que a frequência com que um asteroide ou cometa atinge a Terra para criar tal impacto é estatisticamente insignificante.

Não importa se é aproximadamente “uma vez a cada 350 milhões de anos e tivemos um evento há 66 milhões de anos”, porque estatisticamente, essa seria a única ocorrência no intervalo de tempo de 350 milhões de anos, disse ele.

Os pesquisadores também têm uma infinidade de amostras de asteroides para estudar em comparação com cometas, disse Kring.

“Não há absolutamente nenhuma evidência que prove que seu modelo está incorreto, mas por outro lado, há muitas evidências que ainda apontam para um asteroide como o causador de impacto mais provável”, disse Kring.

Loeb disse que está interessado em procurar por pedaços de cometa remanescentes da separação para verificar sua teoria.

Por Megan Marples, da CNN

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

OMS diz que situação do Brasil é “muito preocupante” e requer medidas agressivas

"Não é hora do país relaxar, a variante brasileira preocupa e pode afetar toda a América Latina" disse Tedros...

Aulas da Rede Municipal de Guadalupe terão início na próxima segunda-feira, 08 de março.

A secretaria Lorena Rocha informou que os alunos receberão o material para estudo por plataformas digitais e as famílias...

Ministério Público pede à Justiça que Flordelis e outros réus sejam levados a júri popular

Flordelis é suspeita de ter arquitetado o plano, convencer pessoas de práticas reiteradas de crimes, ocultar provas, além de...

Prefeitura de Guadalupe publica novo decreto com medidas emergenciais válidas até 15 de março, porém, houve alterações para os finais de semana

Entre as mudanças, toque de recolher mais cedo e aos finais de semana os postos de combustíveis poderão funcionar...

Supremo Tribunal Federal determina que Ministério da Saúde reative 278 leitos de UTIs no Piauí

O Piauí registra aumento na média móvel de novos casos e óbitos. A internação em leitos de UTI ultrapassa...

Compositor pede prisão preventiva do cantor Wesley Safadão por plágio

Segundo o colunista Leo Dias, além de o cantor estar sendo processado pelo suposto plágio da faixa Vaqueirinha Maltrata...

Posts Recomendados