Pobreza cai para menor índice registrado desde 2012, indica IBGE

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Taxas tiveram queda em 25 estados e Distrito Federal. Em números absolutos, mais de 8,5 milhões de indivíduos saíram da pobreza em 2023

A taxa de pobreza no Brasil caiu para 27,5% em 2023. É o menor patamar de índice de pobreza registrado no país, desde 2012, quando foi iniciada a série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua. O levantamento é coordenado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em 2022, a taxa de pobreza no Brasil estava em 31,6%. A diferença para o ano seguinte aponta que a redução da pobreza foi de 4,2 pontos percentuais. Em números absolutos, mais de 8,5 milhões de indivíduos saíram da pobreza em 2023. O recuo ocorre em 26 das 27 unidades da Federação.

FOTO: LYON SANTOS/ MDS

O estado do Amapá lidera a lista com a queda mais expressiva de pobreza (-14,8 pontos percentuais), caindo de 47,8% em 2022 para 33% em 2023. Depois, figuram os estados de Roraima (-9,5 pontos percentuais) e Amazonas (-9,3 pontos percentuais).

“Nós vamos continuar na missão de diminuir cada vez mais a pobreza e combater a fome no Brasil. Em um ano, já conseguimos ver mudanças importantes na vida das famílias e seguimos trabalhando para melhorar ainda mais a qualidade de vida da nossa população”, reforçou o ministro do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, Wellington Dias.

A análise do cenário foi realizada pelo Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), órgão vinculado ao governo do Espírito Santo, a partir dos resultados da PNAD Contínua, divulgados na última sexta-feira (19.04). O estudo do IBGE, que apura informações relacionadas ao rendimento recebido pela população, como trabalho, pensões, aposentadorias e outros, concluiu que o Programa Bolsa Família reduz as desigualdades socioeconômicas no Brasil.

O diretor-presidente do IJSN, Pablo Lira, também atribui o recuo da pobreza às políticas públicas de assistência social, assim como às ações de melhoria no ambiente econômico, à geração de emprego e ampliação da renda. “Esse resultado evidencia o desenvolvimento de um trabalho conjunto, de integração dos esforços com o Governo Federal”, afirma.

Com a melhora do mercado de trabalho e maior alcance do número de beneficiários de programas sociais, a massa de rendimento mensal domiciliar per capita chegou a R$ 398,3 bilhões, outro recorde registrado pela PNAD Contínua.

Leonidas Amorim
Leonidas Amorimhttps://portalcidadeluz.com.br
Acompanhe nossa coluna no Portal Cidade Luz e fique por dentro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Fábio Novo espera mais de 30 mil pessoas na convenção que homologará sua candidatura

Fábio Novo afirma que esse será um dos maiores atos partidários já realizados na capital. O pré-candidato a prefeito de...

Prefeito de Teresina sanciona lei que autoriza empréstimo de R$ 17 milhões para saúde

O pedido foi aprovado em duas votações seguidas e em regime de urgência especial pela Câmara Municipal na semana...

Governador Rafael tem aprovação recorde de 90,13% em Teresina; presidente Lula é aprovado por 80,95%

A pesquisa foi realizada pelo Instituto Datamax em Teresina, de 15 a 18 de julho de 2024, com 2...

Grande final do Campeonato de Futebol de Jerumenha acontece neste sábado, 20 de julho

Juventus e Serraria vão disputar o título e as equipes Amigos FC e Extrema querem o terceiro lugar. Neste sábado,...
spot_img

João Vicente Claudino oficializa apoio ao pré-candidato Fábio Novo

O ex-senador convocou uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira (18) para anunciar sua decisão e explicar os motivos. Na quinta-feira...

Para cumprir marco fiscal, governo suspende R$ 15 bilhões do orçamento

Do total, R$ 11,2 bi serão bloqueio e R$ 3,8 bi, contingenciamento Após reunião no Palácio do Planalto, o ministro...
spot_img

Posts Recomendados