DestaquesDeputada Rejane Dias quer atenção especial para alunos disléxicos

Deputada Rejane Dias quer atenção especial para alunos disléxicos

-

spot_img

A proposta já está em fase de tramitação através do PL 3.517/2019, mas a intenção da deputada é garantir um texto de consenso entre as categorias de profissionais envolvidos no processo.

A deputada federal Rejane Dias reuniu nesta terça-feira, 03, especialistas de renome nacional para debater uma Proposta que determina companhamento especial a aluno com dislexia, transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) ou outra dificuldade de aprendizagem.

A proposta já está em fase de tramitação através do PL 3.517/2019, mas a intenção da deputada é garantir um texto de consenso entre as categorias de profissionais envolvidos no processo e os pais de crianças com dislexia no Brasil.

Participaram da reunião, além da deputada, representantes e pesquisadores do Conselho Federal de Psicologia, entre os quais, Izabel Hazin e Kátya Oliveira; a diretora do Instituto de Psicologia da USP,
Marilene Proença; a professora Titular de Pediatria da Unicamp, Maria Aparecida Affonso Moysés, representantes de associações ligadas à defesa dos disléxicos em São Paulo e Mato Grosso, Fabiola De La Lastra Helou e Gabrielle Maria Coury de Andrade, respectivamente e representante do CRP de São Paulo, Valéria Braunstein.

Além de garantir um programa de acompanhamento integral para crianças e adolescentes com dislexia, o Projeto determina que as escolas públicas ou
privadas garantam o cuidado e a proteção ao aluno que tenha algum desses transtornos. O aluno terá ainda o acompanhamento específico direcionado a sua dificuldade pelos seus educadores, com o apoio e orientação das áreas de saúde e assistência social e de outras políticas públicas. E os professores terão acesso à informação sobre a identificação de eventuais transtornos.

A dislexia compromete a capacidade de aprender a ler e escrever com correção e fluência, de compreender um texto, por exemplo. Em diferentes graus, alunos com esse distúrbio congênito não consegue estabelecer a memória fonêmica, isto é, associar os fonemas às letras. “Às vezes, as mães identificam nos filhos alguma dificuldade em aprender, mas não conhecem a dislexia que pode explicar o problema. A nossa ideia é garantir uma política de acompanhamento desses casos, em tempo adequado”, disse a deputada.

Segundo a Associação Americana de Psiquiatria, de 5% a 15% das crianças em idade escolar têm dificuldades de aprendizagem. A proposta, que teve origem no PLS 402/2008, do ex-senador Gerson Camata, está na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) e tem a senadora Mara Gabrilli, como relatora.

Com informações do GP1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Sesapi vai realizar mutirões de cirurgias de catarata nos municípios de Piripiri, Cocal e Parnaíba

A Secretaria de Saúde do Piauí quer intensificar os mutirões de cirurgias, diminuindo as filas de espera. Com o retorno...

No skate, Brasil conquista a primeira medalha na olimpíada de Tóquio

A primeira medalha brasileira nas Olimpíadas de Tóquio foi conquistada na estreia do skate nos Jogos, com Kelvin Hoefler....

Prefeitura de Floriano capacita vigilantes do município

"É um evento grandioso para o município, pela valorização, pelo trabalho, mas contudo pela proporção do aprimoramento no que...

Apostador de Floriano ganha sozinho quase R$ 5,5 milhões na Quina

Sozinho, o sortudo fez apenas um jogo com 7 números na unidade lotérica Mega Sorte e levou R$ 5.420.758,34. Um...
spot_img

Jair Bolsonaro promete rasgar o verbo e revelar fraude eleitoral de 2014 na próxima quinta, 29 de julho de 2021

O presidente afirmou que haverá apresentação à imprensa com fotografia minuto a minuto. Mandatário alega que Aécio Neves teria...

Varíola dos macacos deixa Estados Unidos em alerta com a doença

O homem, que é considerado o primeiro caso de varíola dos macacos no país desde 2003, foi levado ao...
spot_img

Posts Recomendados