CidadesJustiça condena prefeito João Batista por enriquecimento ilícito

Justiça condena prefeito João Batista por enriquecimento ilícito

-

spot_img

A sentença foi do juiz Breno Borges Brasil, da Vara Única da Comarca de Marcos Parente. O prefeito de Antônio Almeida ainda teve suspensos os direitos políticos pelo período de 03 anos.

O juiz de direito Breno Borges Brasil, da Vara Única da Comarca de Marcos Parente, condenou o prefeito de Antônio Almeida, João Batista Cavalcante Costa, e o escritório Amorim, Moura & Martins Sociedade de Advogados a pagarem R$ 252 mil em ação civil de improbidade administrativa por dano ao erário e enriquecimento ilícito. A sentença foi dada no dia 31 de agosto deste ano.

Prefeito João Batista – Foto: Portal Cidade Luz

De acordo com a denúncia do Ministério Público do Estado do Piauí, o prefeito praticou ato ilícito no município consistente na contratação, sem licitação, do escritório Amorim, Moura & Martins Sociedade de Advogados fundado em inexigibilidade de licitação, por preço superior ao valor de mercado nos anos de 2017 e 2018, pelo valor de R$ 84 mil, todos os contratos firmados pelo período de 12 meses.

Para o órgão ministerial, a natureza comum do serviço está evidenciada pelo próprio contrato que prevê a execução de atividades que podem ser feitas por qualquer advogado, nos termos das Súmulas 252 e 264 do TCU, além dos valores contratados serem amplamente superiores aos valores anteriormente contratados pelo Município com outros advogados.

Foi argumentado ainda que o escritório foi contratado quando já existia outra contratação vigente com o mesmo objeto com sociedade advocatícia distinta e que não consta pesquisa de preço no mercado no procedimento licitatório.

“Profissional com a mesma titulação, advogado, especialista, que se submeteu a concurso público no mesmo Município de Antônio Almeida percebe atualmente a remuneração de R$ 2.800,00, para exercer as funções do cargo efetivo de Assistente Jurídico”, destacou o membro do Ministério Público.

Defesa

O prefeito João Batista Cavalcante Costa aduziu que os respectivos contratos foram realizados por inexigibilidade de licitação, havendo comprovação do enquadramento à hipótese do art. 25 da Lei n.º 8.666/93 e que o município não sofreu prejuízos, posto que os serviços foram efetivamente prestados. Ele afirmou ainda que não houve suferfaturamento de preços e, que não há dolo.

Já o escritório Amorim, Moura & Martins Sociedade de Advogados defendeu a inexistência de ato de improbidade administrativa, ante a notória especialização da sociedade de advogados e advogados contratados, a singularidade do serviço prestado, a inviabilidade de competição para contratação de serviços advocatícios, a necessidade de confiança do gestor público nos profissionais contratados, a inexistência de sobrepreço e de fracionamento do objeto, a inexistência de enriquecimento ilícito, a efetiva prestação dos serviços, a impossibilidade de devolução dos valores pagos, ausência do elemento subjetivo (dolo ou culpa), que o investimento em órgão de advocacia pública municipal se mostra antieconômico no caso concreto, não cabimento do dano moral coletivo.

Sentença

O magistrado destacou na sentença que “o administrador deixou de seguir as regras mais comezinhas referentes às contratações administrativas, especialmente a exigência legal do art. 26 da Lei n.º 8.666/93, que determina que deve haver um processo de inexigibilidade de licitação, e isso porque não observou elementos obrigatórios que devem instruir o referido processo, como a razão da escolha do fornecedor ou executante e a justificativa do preço (incisos II e III do art. 26 desta lei)”.

“A notória especialização é requisito, certamente, mas não é condição suficiente. Explicando de forma mais simples: tal dispositivo não permite contratar o Picasso (especialista notório), sem licitação, para passar a cal no meio-fio da praça principal da cidade (serviço vulgar)”, explicou o juiz.

Ainda de acordo com o juiz, as provas comprovam que os denunciados de forma dolosa e deliberadamente descumpriram determinações legais, burlando a lei no intuito de suprir o quadro da prefeitura, em serviços de natureza permanente e comuns da atividade administrativa, com pessoas de sua preferência por dois anos, evidenciando o dolo na prática do ato de improbidade.

Ao final, julgou procedente a ação para decretar a nulidade dos contratos administrativos firmados pelo Município de Antônio Almeida com o escritório Amorim, Moura & Martins Sociedade de Advogados nos anos de 2017 e 2018 e condenar, solidariamente, o prefeito João Batista Cavalcante Costa e Amorim e o escritório Moura & Martins Sociedade de Advogados ao ressarcimento integral do dano no valor R$ 84.000,00 (oitenta e quatro mil reais), bem assim ao pagamento de multa civil pelo dobro do valor.

Eles ainda estão proibidos de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual sejam sócios majoritários, pelo prazo de 03 anos. O prefeito ainda teve suspensos os direitos políticos pelo período de 03 anos.

Com informações do GP1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Pelo menos 203 congressistas já foram infectados por covid-19 e 4 morreram

Levantamento identificou que pelo menos 1/3 dos congressistas tiveram covid-19 até agora. São no mínimo 172 dos 513 deputados...

Secretaria de Saúde de Jerumenha alerta população para cuidados extras com o vírus da Covid-19

Os números tem aumentado diariamente e já existe suspeita da variante no município. A Secretária Municipal de Saúde de Jerumenha...

Professor Jones fala da sua gestão à frente da Câmara Municipal de Bertolínia

O vereador estar em seu terceiro mandato, sendo o mais votado na última eleição. Ele denunciou o ex-prefeito Luciano...

Wellington Dias denuncia a ONU falta de sedativos em 11 Estados

O governador do Piauí lidera o Consórcio Nordeste e deu os encaminhamentos na reunião realizada com a Organização das...
spot_imgspot_img

Prefeitura de Guadalupe promove blitz educacional ambiental para conscientização da população

O evento foi organizado pela secretaria municipal de Meio Ambiente, visando mobilizar a sociedade para proteção dos recursos ambientais,...

Alta no preço da carne deve durar até maio, dizem especialistas

País reduziu abate de vacas e aumentou inseminação artificial para acelerar produção de bezerros e atender demanda. A alta no...
spot_img

Posts Recomendados