Destaques Ministra julga inconstitucional lei do Piauí para liberar dados...

Ministra julga inconstitucional lei do Piauí para liberar dados de celular roubado

-

A relatora da ação, a ministra Rosa Weber, considerou que a lei estadual interfere na prestação de serviço de telefonia espécie do gênero telecomunicação, cujo regramento compete à União.

Por maioria de votos, o Supremo Tribunal Federal (STF) invalidou a Lei estadual 6.336/2013 do Piauí, que obriga as operadoras de telefonia móvel a fornecerem aos órgãos de Segurança Pública, sem prévia autorização judicial, dados necessários para a localização de telefones celulares furtados, roubados ou utilizados em atividades criminosas.

Ministra Rosa Weber

A lei foi questionada pela Associação Nacional das Operadoras de Celulares (Acel) na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5040, julgada procedente na sessão virtual concluída em 3/11.

Em seu voto, a relatora, ministra Rosa Weber, considerou que a lei estadual interfere na prestação do serviço de telefonia, espécie do gênero telecomunicação, cujo regramento compete à União (artigos 21, inciso XI, e 22, incisos I e IV, da Constituição da República) e é disciplinado por meio da Lei Geral das Telecomunicações (Lei 9.472/1997).

Na avaliação da ministra, por mais “necessária, importante e bem intencionada” que seja a instrumentação dos órgãos de segurança pública, “ela não pode se dar de forma não integrada, desvinculada do sistema como um todo”.

A relatora lembrou ainda que o STF não tem validado normas estaduais que, embora visando contribuir com as atividades dos órgãos de segurança pública, têm a consequência prática de interferir indevidamente em direitos individuais e na estrutura de prestação do serviço público. Acompanharam o voto da relatora a ministra Cármen Lúcia e os ministros Gilmar Mendes, Luiz Fux, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli. Os ministros Edson Fachin e Luís Roberto Barroso também votaram pela procedência da ação, mas com ressalvas e com fundamentos distintos.

Os ministros Alexandre de Moraes e Marco Aurélio divergiram da relatora e votaram pela improcedência da ação, por entenderem que a lei estadual disciplina matéria relativa à segurança pública, sobre a qual o estado tem competência para legislar.

Com informações do STF

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Ingerir café todos os dias pode mudar a estrutura do seu cérebro, diz estudo

Pesquisa da Universidade de Basileia mostra mudança na massa cinzenta após 10 dias de consumo diário de cafeína. Sono...

Bolsonaro vai ao Congresso e apresenta projeto para vender os Correios

O projeto define o marco regulatório para o setor postal e possibilita a desestatização da empresa. O presidente da República,...

Raríssimo, pinguim-rei amarelo é fotografado em ilha do Atlântico Sul

O fotógrafo belga Yves Adams foi o responsável por capturar a imagem rara (talvez, única) de um pinguim-rei sem...

Gordura localizada: Três dos piores alimentos para a barriga

Existem alguns alimentos que parecem causar um aumento de peso quase instantâneo. Sim, falamos sobre a temida gordura da...

Imposto de Renda 2021: entrega da declaração vai de 1º de março a 30 de abril

A declaração do Imposto de Renda é obrigatória para aqueles que receberam em 2020 mais do que R$ 28.559,70. Começa...

A loja de variedades “Tem Tem” no Centro de Floriano, fica destruída após ser atingida por incêndio

As chamas começaram a se espalhar para imóveis vizinhos, incluindo a loja de eletrodomésticos Veloso e o Atacadão de...

Posts Recomendados