CidadesSem recursos, governo confirma que não haverá Censo Demográfico...

Sem recursos, governo confirma que não haverá Censo Demográfico em 2021

-

spot_img

Censo demográfico estava inicialmente previsto para 2020, mas foi adiado por causa da pandemia.

O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, disse nesta sexta-feira (23), que o Censo Demográfico não será realizado em 2021. O motivo, segundo ele, é a falta de recursos previstos no Orçamento.

“Não há previsão orçamentária para o Censo. Portanto, ele não se realizará em 2021. As consequências e gestão para um novo Censo serão comunicadas ao longo deste ano, em particular a partir de decisões tomadas na Junta de Execução Orçamentária”, disse a jornalistas no Palácio do Planalto.

Responsável pelo Censo Demográfico, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) já havia decidido em abril suspender as provas do processo seletivo para recenseadores e agentes censitários que trabalhariam na pesquisa –inicialmente prevista para ser realizada em 2020, mas adiada por causa da pandemia.

A decisão foi tomada depois de cortes dos recursos previstos no Orçamento da União para a realização do Censo, quando o Congresso reduziu o valor previsto para a pesquisa de R$ 2 bilhões para R$ 71 milhões.

As razões do adiamento foram colocadas no momento em que o Censo não teve o recurso alocado no processo orçamentário”, disse Waldery.

ORÇAMENTO “EXEQUÍVEL”

Rodrigues disse na entrevista que o Orçamento de 2021, da maneira como foi sancionado, é “exequível”. Segundo ele, não há risco de ‘shutdown’, termo mais conhecido para a paralisação da máquina pública.

“Da maneira como foi colocada, nós teremos, com os instrumentos enviados ontem, a possibilidade de análise da dinâmica orçamentária ao longo do ano e entendemos que neste momento não corremos riscos de termos parada em nenhum dos ministérios”.

Participaram da entrevista a jornalistas:

  • Bruno Grossi (secretário especial de Relações Governamentais);
  • George Soares (secretário de Orçamento Federal);
  • Waldery Rodrigues (secretário especial da Fazenda); e
  • Bruno Funchal (secretário do Tesouro Nacional).

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nessa 5ª feira (22.abr), com vetos parciais, o Orçamento. Foi o capítulo final de um processo em que se evitou impor uma dura derrota ao ministro Paulo Guedes, mas do qual ele sai desgastado. O chefe da pasta da Economia chegou a defender o veto integral do texto, mas passou a considerá-lo “exequível” depois de o Congresso aprovar um projeto de alívio de R$ 9 bilhões.

Com informações do Poder 360

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Enem 2021 só deverá ser realizado em janeiro do ano que vem

A prova relativa a 2020 foi adiada em função da pandemia e realizada só em janeiro de 2021, com...

Prova de vida do INSS volta a ser obrigatória; veja calendário

Caso o beneficiário não faça a comprovação de vida, o benefício pode ser suspenso ou bloqueado. O Instituto Nacional do...

‘Nada vai intimidar a CPI’, diz Renan Calheiros à CNN

Relator diz que governo tenta intimidar os trabalhos da comissão e 'não tem sequer uma linha de defesa'. Em entrevista...

YouTube pagará a criadores de conteúdo para usarem rival do TikTok

A empresa tem um orçamento de aproximadamente 540 milhões de reais. O sucesso do TikTok a nível mundial fez com...
spot_imgspot_img

AGU pede ao Supremo que garanta direito de Pazuello de ficar calado em depoimento à CPI

Depoimento já precisou ser adiado porque Eduardo Pazuello disse ter tido contato com pessoas com Covid. AGU também quer...

Painel da OMS: Pandemia “poderia ter sido evitada” se mundo tivesse agido antes

Painel independente nomeado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) conclui que emergência da Covid-19 deveria ter sido declarada mais...
spot_img

Posts Recomendados