Lula depois da liminar negada pelo STF. O que acontece?

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Na terça-feira, 25, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou um pedido da defesa para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ficasse em liberdade até o julgamento do habeas corpus que pede a suspeição do ex-juiz federal Sergio Moro no caso do tríplex do Guarujá, que levou o petista à prisão.

Foto: O Globo

Apenas os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski concordaram em conceder uma liminar para tirar o petista da prisão, onde está desde 7 ade abril de 2018, até que o STF tenha uma decisão sobre a parcialidade de Moro na condução do processo, apontada pela defesa do petista. Cármen Lúcia, Edson Fachin e Celso de Mello negaram a liminar.

O que acontece agora?  VEJA explica:

  • O STF volta do recesso em 1º de agosto, mas a primeira sessão da Segunda Turma será no dia 6 de agosto. O habeas corpus de Lula poderá estar já nessa pauta, mas isso dependerá de o ministro Gilmar Mendes, que pediu vista (mais tempo para análise) devolvê-lo para julgamento.
  • Se Gilmar fizer isso, dependerá da ministra Cármen Lúcia colocá-lo na pauta, mas ela já afirmou, em nota emitida na segunda-feira 24 que habeas corpus de réu preso e cujo julgamento já tenha sido iniciado – a própria Cármen e Fachin já votaram, ambos contra Lula – tem prioridade sobre os demais casos.
  • O habeas corpus foi apresentado pela defesa em novembro de 2018 e, portanto, não incluía as conversas entre Moro e o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, que apontam para uma combinação de estratégias entre juiz e acusação no processo do tríplex do Guarujá, pelo qual Lula foi condenado e que o levou à prisão.
  • Após a divulgação das conversas pelo site The Intercept Brasil, a defesa do petista apenas apresentou uma petição na qual afirma que “fatos públicos e notórios” veiculados nos últimos dias aumenta a convicção de que Moro foi parcial na condução do processo. Mas os advogados do petista não querem que a avaliação das conversas seja a peça central da defesa, já que a autenticidade dos diálogos não foi comprovada oficialmente.
  • No julgamento desta terça-feira, no entanto, alguns ministros, como Lewandowski e Gilmar, já levaram em consideração os diálogos na formulação de seus votos. Ou seja, no julgamento do pedido de suspeição de Moro, parte da Corte pode levar em consideração o que foi revelado pelo The Intercept Brasil e parte, não.
  • A defesa de Lula, no entanto, tenta embasar o pedido de suspeição em outros pontos, como o fato de Moro ter aceitado convite para ser ministro de Jair Bolsonaro, que disputava com o petista a liderança das pesquisas de intenção de voto para a Presidência em 2018.
  • Se a maioria da Segunda Turma concordar que Moro está sob suspeição, Lula pode ser solto imediatamente e o processo que o levou à prisão pode ser anulado. “Se restarem evidências de que a denúncia, peça que inicia o processo, foi instruída pelo juiz, o processo volta ao início”, explica João Paulo Martinelli, criminalista e professor de pós-graduação da Escola de Direito do Brasil (EDB).

Com informações do Veja.com

Leonidas Amorim
Leonidas Amorimhttps://portalcidadeluz.com.br
Acompanhe nossa coluna no Portal Cidade Luz e fique por dentro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

Governo do Estado inaugura escritório da Investe Piauí no coração financeiro de São Paulo

A representação na capital paulista permite um ambiente de negócios favorável para o estado no Sudeste do Brasil. O governador...

Adriana Sá anuncia que vai percorrer comunidades de Landri Sales para ouvir a população e montar seu plano de governo

Durante entrevista na Rádio Cidade Luz ela informou que o cronograma completo das visitas às comunidades será divulgado em...

Senado começa a discutir aumento de benefícios para juízes, promotores e defensores

Intenção é oferecer benesses a cada cinco anos de serviço público; impacto aos cofres públicos é de R$ 42...

PT e PL entram com recurso no TSE para cassar mandato de Sergio Moro

As siglas decidiram mover ações, visando evitar a jurisdição da Justiça Eleitoral do Paraná. O Partido Liberal (PL) e a...
spot_img

TCU mantém condenação e ex-prefeita de Uruçuí tem que devolver R$ 188 mil aos cofres públicos

"PAGAMENTO DE DESPESAS NÃO COMPROVADAS" Os ministros da 1ª Câmara do Tribunal de Contas da União (TCU) rejeitaram o mérito...

Wellington Dias detalha o Programa Acredita no Primeiro Passo, lançado pelo presidente Lula

Voltado para o público do Cadastro Único, eixo da iniciativa lançada nesta segunda-feira (22.04), no Palácio do Planalto, deve...
spot_img

Posts Recomendados